Revitalizações já foram aprovadas pelo Iphan e Inepac

Em fase final de elaboração da fase executiva, o projeto de Requalificação da Paulo Barbosa foi apresentado na última segunda-feira (15.04) para empresários da Rua na UCP. Na ocasião, os empresários tiveram a oportunidade de tirar dúvidas e apontar sugestões. Em março, o projeto recebeu parecer favorável do IPHAN e Inepac e agora está no desenho final do projeto executivo. Após a conclusão da parte executiva será iniciada a captação da obra que será financiada pelos empresários da Rua. Aproximadamente 30 pessoas participaram do encontro.

Segundo a Coordenadoria de Planejamento e Gestão Estratégica, o projeto foi autorizado para execução da obra sem ressalvas pelo Iphan. Vale salientar que o projeto foi todo desenvolvido por funcionários da Prefeitura, lotados no Departamento de Urbanismo, na CPTrans e na Secretaria de Obras.

O projeto prevê que a requalificação seja feita em partes – a região foi separada em 4 blocos. “Estamos conversando com as concessionárias de serviço como água e esgoto, internet e gás para ouvir as necessidades deles porque essa parte da tubulação tem que ficar pronta antes que a obra chegue na calçada. A intenção é de garantir que todos os processos fiquem prontos o mais rápido possível para a finalização do projeto executivo”, contou Robson Gaiofatto, um dos responsáveis pelo projeto executivo.

Os questionamentos referentes ao trânsito e às linhas de ônibus também foram esclarecidos. De acordo com levantamento da CPTrans, a via é uma das mais movimentadas da cidade: em horários de pico, aproximadamente 2 mil veículos passam pela rua e em um período de seis horas, são 8 mil pedestres que caminham por toda a região.

A requalificação prevê mais ônibus circulares na região o que significa que a quantidade de pessoas que circulam na rua não vai diminuir. O espaço só ficará mais organizado.

O projeto de Requalificação prevê alargamento e melhorias de calçadas, abrigos e baias de ônibus, instalação de bancos e pontos de jardinagem. O estacionamento deverá ser paralelo à calçada e a proposta ainda sugere mais vagas para idosos, além de canteiros, assentos e acessibilidade para que pessoas com alguma limitação física possam ter autonomia para passear pela rua.

“Outro ponto interessante do projeto é que ele prevê mais abrigos na rua, ou seja, mais conforto para as pessoas”, disse o empresário e arquiteto Rodrigo Simão.

Luís Borba, proprietário de uma ótica, aproveitou a oportunidade para tirar dúvidas sobre a questão de carga e descarga na rua. “É importante que os empresários sejam ouvidos nesse processo. A obra tem que ficar boa para todos e todos os agentes devem ser ouvidos. Tenho sugestões com relação a parada de carga e descarga e faço questão de apresentar. Foi interessante esse encontro”, comentou.

Vale salientar que a prefeitura também montou um Grupo de Trabalho que vem acompanhando todas as etapas do processo - formado por representantes do poder público (Obras, Desenvolvimento Econômico, Planejamento e Gestão Estratégica, CPTrans) e empresários da região.

Inédito na cidade, ele contempla a mobilidade em seus mais variados aspectos

O Plano de Mobilidade Urbana (PlanMob) está estabelecido em Petrópolis. Ele define as diretrizes de políticas públicas para o setor de mobilidade da cidade. A decisão, por decreto,  foi publicada no Diário Oficial do Município desta sexta-feira (12.04) após cinco consultas públicas, uma audiência e 26 reuniões do Conselho de Trânsito e Transportes que abordaram o tema. Com o decreto, Petrópolis cumpre o prazo estabelecido pela Lei Federal nº 12.587, estando apto a receber recursos federais para aplicação em projetos voltados ao tema.

O plano, o primeiro da cidade, será o instrumento de orientação das políticas públicas do setor de mobilidade, com diretrizes e ações para o período 2019 – 2029. O PlanMob se refere aos modos, serviços e infraestrutura viária e transporte que garantam os descolamentos de pessoas e bens em seu território, além da gestão e operação do sistema de mobilidade, visando atender as necessidades atuais e futuras da população. Ele foi elaborado com base nas recomendações do então Ministério das Cidades e todos os órgãos envolvidos no assunto.

Muitos municípios licitaram a criação do plano gastando recursos de mais de R$ 1,5 milhão, e que, em Petrópolis, foram os próprios servidores, técnicos e engenheiros, que elaboraram o documento.

O decreto dá o apontamento para a íntegra do Plano – um documento de cerca de 600 páginas, totalmente interativo, que contém fotos, vídeos, gráficos e amplo levantamento sobre aspectos da cidade que englobam áreas como saúde, educação e turismo, por exemplo. Ele está disponível em caráter definitivo no site da CPTrans: www.petropolis.rj.gov.br/cptrans.  Nele são contemplados transportes motorizado e não motorizado, transporte coletivo e privado de passageiros, transporte de cargas e serviços, circulação de pessoas e veículos, além da participação popular.

“O PlanMob engloba os próximos 10 anos, mas ele precisará ser alterado, considerando que o cenário global no que diz respeito ao tema muda a cada instante. Então, o próprio decreto contempla relatórios bienais que deverão contemplar análise do desempenho do Sistema Municipal de Mobilidade Urbana”, explica o diretor técnico e operacional da CPTrans, Luciano Moreira, que encabeçou a confecção do plano. “Nele deverão ser adicionados informações relevantes consideradas pelos técnicos participantes da equipe de desenvolvimento e pela sociedade civil”, completa.

O PlanMob é um documento integral e adicional ao Plano Diretor. Ele contém os levantamentos, com projetos para a cidade e planos de ações. Passada a fase burocrática, com a entrega do plano a todos os setores, a prefeitura irá trabalhar na demonstração das suas propostas à população. Esse, aliás, será o grande mote do Maio Amarelo, que o mês dedicado a prevenção de acidentes. Um bom planejamento e, claro sua execução, trata benefícios a curto, médio e longo prazo, neste que é um dos nossos principais objetivos, a preservação da vida.

Próximo passo é o término do projeto executivo

O projeto de Requalificação da Rua Paulo Barbosa foi aprovado pelo IPHAN. No parecer, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional afirma que as alterações propostas na via atendem as diretrizes do instituto, adequados em porte, material e localização e que o projeto é extremamente benéfico e necessário. O parecer favorável ao projeto foi entregue à Coordenadoria de Planejamento e Gestão Estratégica na última quinta-feira (28.03). Agora, o projeto terá andamento com desenho final do projeto executivo. Após a conclusão da parte executiva será iniciada a captação da obra que será financiada pelos empresários da Rua.

Essa é uma ótima notícia. Com esses respaldos importantes, do Inepac e do IPHAN, o município mostra que as intervenções tornarão a rua mais confortável para pedestres e comerciantes, além de ficar mais atrativa para os visitantes. É um olhar diferenciado para essa parte do Centro Histórico que recebe muitas pessoas diariamente e mantém grande número de lojas e empresas.

Segundo a Coordenadoria de Planejamento e Gestão Estratégica, o projeto foi autorizado para execução da obra sem ressalvas. Vale salientar que o projeto foi todo desenvolvido por funcionários da Prefeitura, lotados no Departamento de Urbanismo, na CPTrans e na Secretaria de Obras.

Todo o trabalho está sendo feito de forma conjunta, ouvindo os empresários e pensando em impulsionar o comércio da região e oferecer conforto e segurança para os pedestres.

A prefeitura está em contato com empresas de telefonia e concessionárias de serviços públicos para apresentação das necessidades delas para as obras – necessário para a conclusão do projeto executivo.

“Já iniciamos este passo, com a reunião com as concessionárias. Agora estamos colhendo os detalhes construtivos de acordo com a necessidade de cada uma delas e preparando os desenhos do projeto executivo, que é bem mais detalhado, para os construtores se guiarem. Já recebemos estes detalhes de algumas empresas, como o fornecer de gás”, explicou Ana Kyzzy Fachetti, da Encopetro Engenharia, responsável pela elaboração do projeto executivo.

Acessibilidade e sinalização reforçada

O projeto de Requalificação da Paulo Barbosa prevê alargamento e melhorias de calçadas, abrigos e baias de ônibus, instalação de bancos e pontos de jardinagem. O estacionamento deverá ser paralelo à calçada e a proposta ainda sugere mais vagas para idosos, além de canteiros, assentos e acessibilidade para que pessoas com alguma limitação física possam ter autonomia para passear pela rua.

Além do alargamento das calçadas, a sinalização é um dos pontos fortes da iniciativa. “A via é considerada perigosa com relação aos acidentes de trânsito e, por isso, a própria urbanização das calçadas levará os pedestres para as faixas de trânsito. Ficará mais acolhedora e agradável”, contou Layla Talin, responsável pelo DEPUR.

Vale salientar que a prefeitura também montou um Grupo de Trabalho que vem acompanhando todas as etapas do processo - formado por representantes do poder público (Obras, Desenvolvimento Econômico, Planejamento e Gestão Estratégica, CPTRans) e empresários da região.

O projeto não muda as características da rua. O que se pretende é uma requalificação, organizando o espaço e oferecendo mais conforto para a população. Os empresários da região estão sendo parceiros nessa empreitada, sempre pensando no bem-estar de todos que moram e trabalham na localidade.

Primeira reunião com novos membros acontece no próximo dia 1º na Casa dos Conselhos

Planejar as ações a serem implementadas pelo poder público em diferentes áreas para orientar e estruturar o crescimento da cidade nas próximas décadas, tendo como base a participação dos petropolitanos. Com este objetivo mais de 100 pessoas participaram da 8ª Conferência Municipal da Cidade, realizada na noite de quarta-feira (27.03) no auditório da FMP/FASE. O evento é organizado pelo governo municipal e pelo Conselho Municipal da Cidade (ComCidade). Principal conselho do município, o Comcidade teve 29 representantes da sociedade civil (membros dos 28 conselhos municipais) definidos durante o encontro; além do anuncio dos três representantes do legislativo e sete do governo, totalizando os 39 membros do Comcidade, que irão discutir os rumos do município ao longo de um ano.

“Estamos muito honrados em receber aqui na Fase a Conferencia da Cidade, pois entendemos que o Comcidade é o conselho que tem o papel mais importante no município, em especial em um momento em que ele será conduzido pela sociedade”, pontuou a supervisora geral da FMP/Fase, professora Maria Isabel de Sá Earp de Resende Chaves.

A participação social nas políticas públicas foi o tema da palestra ministrada pelo arquiteto e urbanista Vivente de Paula Loureiro, que destacou a participação da sociedade no conselho é ainda mais essencial em uma cidade com características tão peculiares como Petrópolis. “A cidadania é vinculada ao local em que se vive. Os franceses utilizam o conceito de “la ville e la cité”. La Ville representa a cidade concreta e “la cité”, que está relacionada a forma com a população interage, a como se controle a vida nas cidades. É fundamental que a sociedade participe, opine, discuta e defina junto com o poder público quais serão as prioridades. O prefeito é o gestor do município, mas a participação social é fundamental pois é o que permite que as medidas e ações do governo sejam mais acertadas”, frisou. 

Ao fim da após a palestra foram definidos os nomes dos 29 membros da sociedade civil, que irão compor o Comcidade em 2019, assim como dos seus suplentes. A primeira reunião do Comcidade está marcada para o dia 1º de abril, às 18h, na Casa dos Conselhos Ângelo Zanata. Na ocasião será feita a votação da composição da mesa e definido quem entre os 29 representantes da sociedade irá presidir o Comcidade em 2019.

 Evento acontece nesta quarta (27.03) às 19h no auditório da Fase

A importância da participação social na discussão de assuntos referentes ao planejamento da cidade é o viés principal da 8ª Conferencia Municipal da Cidade, que acontece na noite desta quarta-feira (27.03) no auditório da Faculdade Arthur Sá Earp - Fase.  O evento é organizado pelo governo municipal, por meio da Coordenadoria de Planejamento e Gestão Estratégica (CPGE) e pelo Conselho Municipal da Cidade – Comcidade. Interessados em participar do evento podem fazer a inscrição preenchendo o formulário disponível no site da prefeitura (www.petropolis.rj.gov.br). Na página principal, basta clicar em “8ª conferência da Cidade-2019” e informar os dados pessoais.

A abertura está marcada para as 19h e as inscrições para participar do evento podem ser feitas também no dia, no local do evento a partir das 18h.  A palestra do arquiteto e urbanista Vicente de Paula Loureiro com o tema “A participação social nas políticas públicas” terá início às 19h30.

A discussão com a sociedade é um instrumento importante no processo de tomada de decisões sobre as políticas a serem executadas pelo município em áreas como habitação, mobilidade urbana e transporte, saneamento ambiental e planejamento territorial. “Governo e sociedade devem participar desta discussão, pois o planejamento de uma cidade deve ser feito de acordo com as demandas de seus moradores. Somente com a integração da sociedade neste processo é possível pautar de forma mais precisa o que deve ser feito nos próximos anos para o melhor desenvolvimento da nossa cidade”, explica Vicente Loureiro.

O palestrante pontua que a valorização da participação da sociedade dentro do planejamento da cidade, aliando aspectos comportamentais da população é fundamental para a construção concreta da cidade. “Hoje as ferramentas para disseminação de ideias mudaram. A internet, o uso das redes sociais nos permite a possiblidade de ampliarmos o alcance das ideias. É importante para o planejamento da cidade que estes instrumentos sejam utilizados. É esta discussão que queremos levantar”, explica, destacando que “Petrópolis tem características muito peculiares, que devem ser valorizadas, pois dão mais qualidade de vida a quem vive na cidade”, afirma.

O palestrante destaca que o capital humano e social, com foco no interesse público é fundamental na construção de uma cidade. “Mais do que a participação sob o aspecto partidário é necessário que haja uma participação cidadã de fato na discussão dos assuntos referentes ao planejamento e a construção da cidade”, afirma.

Vicente de Paula Loureiro é arquiteto e urbanista, formado pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Silva e Souza (1977) e Pós-graduado em Gerente de Cidades pela FAAP (Fundação Álvares Penteado de São Paulo), em 2002. Exerceu, durante 8 anos, cargos de Secretário ou Subsecretario de Estado do Rio de Janeiro e, durante 14 anos, cargos de Secretário Municipal de Nova Iguaçu, Petrópolis, Barra Mansa e Paracambi. Entre suas principais realizações estão os Planos Diretores de Desenvolvimento Urbano de Nova Iguaçu e Volta Redonda; o Plano Diretor de Iluminação Pública do Rio de Janeiro; o Plano Estratégico da Cidade de Nova Iguaçu; o Projeto de Readequação do Plano Ferroviário da Cidade de Barra Mansa; e Projeto de Implantação e Extensão da Via Light.

Inscrições para a 8ª conferência já estão abertas. Evento acontece no dia 27

Potencializar a participação social na discussão de assuntos referentes ao planejamento da cidade com a utilização de ferramentas modernas de comunicação - como a internet–democratizando a participação da sociedade e aumentar o alcance das discussões sobre o assunto são pontos que serão apresentados pelo arquiteto e urbanista Vicente de Paula Loureiro na palestra da 8ª Conferência Municipal da Cidade– 2019, que acontece dia 27, na sala Arthur Sá Earp, da FMP/Fase, na Av. Barão do Rio Branco, 1.003 – Centro. A abertura está marcada para as 19h.

“É fundamental valorizarmos a participação da sociedade dentro do planejamento da cidade, aliando aspectos comportamentais de população à construção concreta da cidade. E hoje as ferramentas para disseminação de ideia mudaram e é importante para o planejamento da cidade que estes instrumentos sejam utilizados. É esta discussão que vamos levantar”, aponta o arquiteto e urbanista, Vicente Loureiro.

O palestrante destaca que o capital humano e social, com foco no interesse público, é fundamental na construção de uma cidade. “Mais do que a participação sob o aspecto partidário, é necessário que haja uma participação cidadã de fato na discussão dos assuntos referentes ao planejamento e a construção da cidade. Petrópolis tem características muito peculiares, que devem ser valorizadas”, afirma.

A conferência é organizada pelo governo municipal, por meio da Coordenadoria de Planejamento e Gestão Estratégica (CPGE) e pelo Conselho Municipal da Cidade – Comcidade. Interessados em participar do evento podem fazer a inscrição preenchendo desde já um formulário disponível no site da prefeitura ( www.petropolis.rj.gov.br ). Na página principal, basta clicar em “8ª conferência da Cidade-2019” e preencher o formulário com dados pessoais. As inscrições também podem ser feitas no dia do evento a partir das 18h no auditório da Faculdade Arthur Sá Éarp .

Na Conferência serão eleitos os representantes da sociedade civil que irão integrar o Conselho da Cidade (Comcidade), que este ano será presidido pela sociedade civil. Um dos objetivos do Conselho da Cidade é viabilizar o debate em torno das políticas urbanas. Ele é composto por diversos segmentos da sociedade – ONGs, movimentos populares, entidades profissionais, acadêmicas e sindicais desde que já participem de outro Conselho Municipal, além de representantes do poder público, permitindo, desta forma, a participação da sociedade civil no processo de tomada de decisões. O Comcidade tem 29 cadeiras destinadas à sociedade civil – uma para cada Conselho. Cada um deles pode indicar até três representantes. Esta participação é muito importante uma vez que este ano o Comcidade será presidido pela sociedade civil

Vicente de Paula Loureiro é arquiteto e urbanista, formado pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Silva e Souza (1977) e Pós-graduado em Gerente de Cidades pela FAAP (Fundação Álvares Penteado de São Paulo), em 2002.

Exerceu, durante 8 anos, cargos de Secretário ou Subsecretario de Estado do Rio de Janeiro e, durante 14 anos, cargos de Secretário Municipal de Nova Iguaçu, Petrópolis, Barra Mansa e Paracambi.Entre suas principais realizações estão os Planos Diretores de Desenvolvimento Urbano de Nova Iguaçu e Volta Redonda; o Plano Diretor de Iluminação Pública do Rio de Janeiro; o Plano Estratégico da Cidade de Nova Iguaçu; o Projeto de Readequação do Plano Ferroviário da Cidade de Barra Mansa; e Projeto de Implantação e Extensão da Via Light.

Nos dois casos, o lixo verde removido de duas casas foi jogado em calçadas

Responsáveis foram multados e intimados a fazer a remoção do material

A Fiscalização de Posturas fez dois flagrantes de descarte irregular de entulho, um no Quissamã e outro no Lajinha, em Itaipava. Em ambos os casos, após remover galhos de árvores, o lixo verde foi jogado sobre calçadas. Os responsáveis foram multados em R$ 700 e intimados a fazer a remoção imediata do material despejado.

O descarte de entulho sobre ruas e calçadas é proibido pelo Código de Posturas. O caminho correto é levar para o aterro de Pedro do Rio.

O primeiro caso ocorreu na Rua Quissamã, onde um homem depositou os galhos de árvore de uma casa na servidão Aníbal Lobo. Já a outra aconteceu na Rua Crescencio da Costa, com a mesma ação – galhos retirados de casa de jogados na rua.

Ambos foram multados com base em quatro artigos do Código de Posturas: limpeza das calçadas em frente ao imóvel (artigo 24); colocação de lixo em via pública (35); obstrução de calçada (65); e lançar objetos em calçadas (67). Caso a intimação não seja cumprida, a multa será dobrada.

A coleta de entulho segue ocorrendo de maneira intensa em todo município. O aterro de Pedro do Rio recebeu 16,8 mil toneladas de restos de obras, lixo verde, móveis e eletrodomésticos velhos este ano. Só neste mês de março, as equipes da Comdep e da SSOP, que dividem o serviço, fizeram a remoção de entulho em 62 locais diferentes.

Quem tem dificuldade de fazer o descarte correto tem a alternativa oferecida pela Comdep que é o Disque Entulho, que faz o recolhimento gratuito em casa e leva para o aterro de Pedro do Rio. Para isso, basta ligar para o telefone 2243-7822 e agendar o recolhimento de até 20 sacos até 25 kg.

O projeto de requalificação da Rua Paulo Barbosa foi aprovado pelo Inepac (Instituto Estadual do Patrimônio Artístico e Cultural) e será apresentado agora ao Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional). O órgão vai receber o trabalho idealizado pelo Departamento de Planejamento Urbano da Coordenadoria de Planejamento e Gestão Estratégica (CPGE) e, a partir da anuência, será elaborado o projeto executivo.

O projeto prevê alargamento e melhorias de calçadas, abrigos e baias de ônibus, instalação de bancos e pontos de jardinagem, além de soluções de acessibilidade e vagas de estacionamento para idosos e pessoas com deficiência. A reurbanização deverá ser realizada de acordo com a contrapartida do empresariado local.

Na segunda fase de elaboração do projeto, empresas de telefonia e concessionárias de serviços públicos vão contribuir apontando quais elementos serão necessários levar em consideração atuação delas neste local. Essas empresas foram recebidas pela prefeitura na quarta-feira (13.03) para começar a conhecer o projeto e apresentar sugestões.

A reunião contou com a presença de representantes da Águas do Imperador, Oi, Blavi, BB Construções, Tech Cable, FSi Telecom, Jorge Simão Construção, Enel, Alta Rede e CEG. A partir de agora, o contato com elas e outras do ramo serão mais frequentes para que elas informem quais itens serão necessários observar para as obras. Além delas, a Secretaria de Obras vai indicar um servidor técnico com conhecimento da malha viária da cidade para esta etapa, para colaborar com informações para o projeto executivo.

 Uma das ideias do projeto é deixar a fiação subterrânea. Mas é preciso saber das empresas de telefonia e da concessionária de energia se será necessário instalar tubulações para passagem dos cabos, de que tipo, de que tamanho, em que posição.

Um depósito de material reciclável foi intimado a remover uma grande quantidade de eletrodomésticos, barris e sacos com papelão e embalagens de plásticos depositados na Rua Oliveira Bulhões, na Estrada da Saudade. Na mesma rua, uma fábrica de móveis recebeu a mesma intimação por descartar peças de madeira na calçada. As ações da Fiscalização de Posturas ocorreram após denúncias apresentadas pela população.

Os fiscais vão voltar aos dois locais no fim desta semana para verificar se as intimações foram cumpridas. Caso contrário, eles serão multados em R$ 800, como estabelece o Código de Posturas do município.

O Código de Posturas proíbe o descarte de entulho em ruas e calçadas e é por isso que a Fiscalização atua em todo o município. A colaboração dos moradores é fundamental para que os fiscais possam atuar e impedir que as ruas e os bairros fiquem sujos.

 As denúncias para a Fiscalização de Posturas podem ser encaminhadas pelo telefone 2246-9042. Outro caminho para informar sobre a irregularidade é pela Comdep, onde um fiscal atua junto com as equipes que fazem a coleta de entulho. O telefone da Companhia é 2292-9500. A Fiscalização de Posturas faz em média 250 intimações ou multas por anos.

O Código de Posturas proíbe o despejo de restos de obras, mato, móveis e eletrodomésticos velhos sobre ruas e calçadas. O descarte correto deve ser feito no aterro de Pedro do Rio. Quem tem dificuldade conta com o Disque Entulho, que recolhe gratuitamente até 20 sacos de 25 kg de entulho. O programa conta com rotas fixas de segunda a sexta, mas moradores de outros locais podem ser atendidos de acordo com a disponibilidade das equipes. O agendamento é feito pelo telefone 2243-7822.

Somando o trabalho da Comdep e o da Força Ambiental, que é coordenado pela SSOP (Secretaria de Serviços, Segurança e Ordem Pública), são sete equipes atuando em todos os distritos para deixar os bairros limpos. O serviço é constante e, por isso, a Fiscalização de Posturas atua com o objetivo de coibir que a irregularidade ocorra.

No primeiro caso, o entulho está depositado dois lados do portão de entrada do depósito de material reciclável. O responsável pelo local informou aos fiscais o caminhão que recolhe esse material estava quebrado, mas a denúncia era de que os objetos estavam depositados há pelo menos 10 dias no local. Os fiscais encontraram geladeiras, tanquinhos, fogões, televisão, barris lotados de lixo, sacos cheios de embalagens plásticas de produtos de limpeza, higiene e alimentícios, latas de alumínio, caixas de papelão. A quantidade é tão grande que quase encobriu um veículo. A Fiscalização de Posturas abriu um prazo até quinta-feira (28.02) para a limpeza da calçada.

Em outro ponto da Rua Oliveira Bulhões, a calçada em frente a uma fábrica de móveis estava ocupada por peças de madeira quebradas. Nesse caso, o estabelecimento foi intimado a fazer a remoção imediata, já que a quantidade de entulho era menor.

Modificações serão encaminhadas para aprovação do IPHAN

O projeto de Requalificação da Rua Paulo Barbosa já está sendo analisado pelo Inepac – Instituto Estadual do Patrimônio Cultural - e será encaminhado para avaliação do IPHAN. A expectativa é de que a obra tenha início até o segundo semestre. A informação foi confirmada durante uma reunião realizada nessa quarta-feira (13.02) com o prefeito Bernardo Rossi e os integrantes do Grupo de Trabalho formado por empresários e representantes do poder público que estão acompanhando o andamento do processo.

A requalificação da Rua Paulo Barbosa é elaborada com o apoio da Prefeitura através de Parceria Pública Privada (PPP). As intervenções serão realizadas em blocos, de acordo com a contrapartida de cada empresário.

O projeto executivo está na fase final. “O trabalho está sendo realizado dentro dos prazos e, a intenção é de início das modificações logo após todas as aprovações”, disse Ana Kyzzy Fachetti, da Encopetro Engenharia, responsável pela elaboração do projeto executivo.

Em março uma reunião será realizada com as concessionárias – água, luz, internet - para apresentação do projeto e também será apresentada em uma assembleia para os representantes dos condomínios da rua.

O projeto engloba calçadas mais largas - aproximadamente 3 metros de largura, os pontos de ônibus terão abrigos e baias para que o veículo não fique na via principal. O estacionamento deverá ser paralelo à calçada e a proposta ainda sugere mais vagas para idosos, além de canteiros, assentos e acessibilidade para que pessoas com alguma limitação física possam ter autonomia para passear pela rua.

“A intenção é de dar uma nova cara para essa parte da cidade tão importante para o comércio e moradores do Centro. Tenho certeza que o resultado será positivo”, afirmou Rodrigo Simão, arquiteto e empresário.

Pagina 5 de 13