Um muro que estava sendo construído na entrada do Conjunto Comercial Marchese, na Rua do Imperador, no Centro, foi embargado pela Prefeitura nesta semana. A obra, entre a calçada e a banca de jornal do conjunto, não tinha licença do município, nem dos órgãos de conservação.

Após uma denúncia da obra, fiscais do Departamento de Obras Particulares da Coordenadoria de Planejamento e Gestão Estratégica foram ao local. A equipe solicitou aos responsáveis a licença para a obra. Mas eles não apresentaram.

“É importante que, antes de qualquer obra, os responsáveis busquem as autorizações necessárias. Caso contrário, correm o risco de perder o dinheiro investido naquela obra. Eu uma obra como essa, junto a uma via pública histórica, como é a Rua do Imperador, é preciso autorização da Prefeitura e dos órgãos de conservação”, disse o coordenador de Planejamento e Gestão Estratégica, Thiago Damaceno.

Agora, a Prefeitura seguirá o rito de embargos de obras particulares.

No caso de descumprimento do embargo, multa.

Além disso, os responsáveis terão um prazo para apresentar as licenças devidas. Não apresentando, a Coordenadoria de Planejamento e Gestão Estratégia avaliará se intima o proprietário a regularizar a obra (caso a obra seja passível de regularização) ou a demolir o que foi construído irregularmente.

Documento enviado ao governador Cláudio Castro reforça importância da parceria entre os entes federados

O prefeito Rubens Bomtempo enviou ofício ao governador Cláudio Castro solicitando o início imediato de obras que foram assumidas pelo Governo do Estado, mas ainda não tiveram início.

A solicitação de apoio ao Estado, enviado também para o secretário de Infraestrutura e Obras, Rogério Brandi, foi para as seguintes áreas: Estrada do Paraíso, no Sargento Boening; Ruas 1º de Maio e Paulista, no Castelânea; Vila Vasconcelos, também no Castelânea; Chácara Flora; Rua Uruguai, no Quitandinha; e Bartolomeu Sodré, no Caxambu.

"O estado de calamidade pública foi prorrogado até o fim do verão, pois temos a necessidade de manter não apenas a população, mas todos os entes federados, em alerta máximo. Precisamos de muita união para superar os efeitos dessa catástrofe. Por isso, estamos pedindo ao governador o início imediato das obras. Tenho a certeza que, juntos, faremos um amplo programa de reconstrução da cidade", disse o prefeito Rubens Bomtempo.

"Prefeitura e Estado executaram uma primeira etapa de obras de restabelecimento e reconstrução. O município refez as margens dos rios do Bingen e Barão do Rio Branco, reconstruiu a Saldanha Marinho e o trecho da Piabanha, após a entrada das Duchas, que havia sido destruído. O Estado, por sua vez, assumiu importantes obras, como as da 24 de Maio, a Washington Luiz e a Batata-Frita. Agora todos nós precisamos avançar. O município está licitando uma série de intervenções, mas precisa do apoio dos outros entes", afirmou Bomtempo.


Ações acontecem nos terminais do Centro e de Corrêas; estação de Itaipava também será contemplada

Os terminais rodoviários do Centro e Corrêas estão passando por intervenções da Prefeitura, por meio da Companhia Petropolitana de Trânsito e Transportes (CPTrans). Reforma dos banheiros, instalação de calhas, pintura e restauro dos telhados são alguns dos serviços que estão sendo executados. As intervenções também vão acontecer no terminal de Itaipava.

Em Corrêas, a reforma do banheiro masculino já foi concluída. O trabalho segue agora para o banheiro feminino e na recuperação de outros pontos do terminal. No Centro, a Prefeitura fez a retirada do forro de gesso em algumas áreas (que devido as infiltrações colocava em risco os usuários) e na próxima semana inicia a instalação das calhas no telhado, a troca de telhas e a restauro de algumas salas, que apresentam mofo e infiltrações. Em Itaipava, os banheiros também serão reformados.

“Esses serviços são emergenciais, de prevenção e de manutenção dos terminais para garantir a segurança dos usuários do transporte público. Milhares de passageiros passam diariamente pelos três terminais e o nosso compromisso é deixá-los em melhores condições para a população”, ressaltou o diretor-presidente da CPTrans, Fernando Badia.

A Prefeitura, por meio da Secretaria de Obras, iniciou a revitalização da ponte na Estrada União e Indústria, próxima a entrada do Castelo de Itaipava. Toda a madeira será trocada e o guarda-corpo será refeito. Os trabalhos começaram na terça-feira (8) e a previsão é que estejam concluídos em 20 dias.

“Essa ponte é uma importante ligação entre os distritos e a BR-040, utilizada pelos motoristas como caminho alternativo ao trânsito na região. A estrutura será toda refeita garantindo a segurança dos motoristas”, ressaltou o prefeito Rubens Bomtempo.

A revitalização está sendo feita com recursos próprios do município. Um investimento de R$ 108 mil na compra do material. O serviço está sendo executado pelas equipes da Secretaria de Obras.

Prefeito participou de nova reunião com os moradores, que contribuíram para projeto no entorno da Rua Jacinto Rabelo

A Prefeitura realizou, na manhã desta terça-feira (8/11), a terceira reunião com moradores do Vila Felipe para apresentar os projetos preliminares das obras de reconstrução e prevenção aos desastres no local. O encontro foi realizado na Escola Municipal Dr. Rubens de Castro Bomtempo e contou com a presença de cerca de 120 moradores.

O edital da concorrência pública deverá ser publicado ainda no mês de novembro. As intervenções complexas, que preveem barreiras dinâmicas, drenagens, e demolições de blocos rochosos soltos, reconstrução da escadaria, além da reorganização do fluxo das águas pluviais, estão no estudo técnico, que compreende a área no entorno da Rua Jacinto Rabelo.

Além da apresentação da concepção dos projetos, os moradores puderam tirar dúvidas e dar contribuições para as intervenções que serão feitas. Com base no que foi debatido, os técnicos acompanhados pelos moradores, percorreram novamente a área para esclarecer as dúvidas e atender as demandas.

“As catástrofes climáticas trouxeram uma mudança estrutural na região, e a reconstrução demanda uma série de intervenções. A Prefeitura contratou os estudos para fazer as obras de forma a garantir a segurança das famílias, com responsabilidade. Esse projeto preliminar é o primeiro passo para que as obras, que são complexas, sejam efetivadas, após processo de licitação que vai ocorrer nos próximos dias. É junto com os moradores que vamos reconstruir aquela região. Agora, os técnicos vão finalizar e apresentar a fase final do projeto”, explicou o prefeito Rubens Bomtempo.

O prefeito Rubens Bomtempo autorizou, nesta semana, a abertura de licitação para a reforma da ruína do Parque Natural Municipal de Petrópolis (Ipiranga). Estão previstos cerca de R$ 1,5 milhão de recursos próprios para a recuperação total do espaço.

O novo espaço vai ser um centro administrativo do parque, com secretaria, sala para guias de trilhas, banheiros, lanchonete, loja, sala de reuniões, gestão ambiental, amigos do parque e sala multimídia.

“Será um novo salto de qualidade que daremos para o parque. Uma obra com duração prevista de 5 meses e que enfim vai recuperar aquela ruína, uma demanda antiga da cidade. Conseguimos neste ano reestruturar as finanças do município, o que possibilitou que autorizássemos nesta semana esta licitação”, disse o prefeito Rubens Bomtempo

As obras promoverão a recuperação total da ruína, com revestimentos, esquadrias, instalações e cobertura novos. O objetivo, além de valorizar o parque, é permitir que o local seja cada vez mais um espaço de convivência de moradores da cidade e turistas.

O parque

O Parque Natural Municipal de Petrópolis (Ipiranga) conta com 16,7 hectares com estágio avançado de Mata Atlântica. São duas trilhas para caminhada de dificuldades baixa e moderada, com extensões de 800m e 830m, respectivamente, no trajeto de ida e volta. Além disso, oferece um amplo espaço de contemplação da natureza, com mesas e bancos disponíveis para refeições e outras atividades.

O Parque Natural funciona diariamente, das 7h às 17h.

Prefeitura espera que recursos federais continuem sendo liberados, mas vai iniciar obras mesmo assim, para garantir segurança de áreas atingidas pelas catástrofes climáticas.

Na reunião, com 120 participantes, moradores conheceram projeto básico das obras, tiraram dúividas e deram sugestões. Projeto final será apressentado nas próximas semanas.

Obras de grande porte no Alto da Serra começam pela encosta no trecho entre o Hipershopping ABC e a Rua Hercília Henriques Moret, para proteção de escola, pronto socorro e 300 casas.

O primeiro pacote das grandes obras de contenção de encostas no Alto da Serra vai ser licitado pela Prefeitura. Cerca de 250 moradias ficarão protegidas de riscos.

Pagina 1 de 89