A secretaria de Meio Ambiente foi acionada na manhã desta quinta-feira (19/08) para resgatar um bicho preguiça que apareceu em uma retroescavadeira do transbordo de lixo municipal, que fica no km 79 da BR-040 (Duarte da Silveira). A equipe da pasta retirou o animal e devolveu à natureza em uma área de mata próxima ao local. O secretário de Meio Ambiente,  acompanhou os funcionários na ação.

O novo presidente do Conselho Municipal de Meio Ambiente (Comdema) toma posse no dia 2 de setembro, durante o Fórum de Meio Ambiente, que será realizado na Casa dos Conselhos entre 15h e 20h. Após dois anos dirigido pela sociedade civil, o poder público assume a presidência através do secretário da pasta. Neste mesmo dia, ocorrem as eleições para a vice-presidência e demais conselheiros da sociedade civil organizada.

O Fórum de Meio Ambiente será realizado de maneira híbrida: o auditório da Casa dos Conselhos será restrito para 25 pessoas. Pela internet, as pessoas podem acompanhar a transmissão através do aplicativo meet (URL da reunião: https://meet.google.com/kyt-sjjo-dnr). Os interessados em participar do evento devem se cadastrar também de forma on-line (https://forms.gle/wqYwwkDvrjFEu17M6).

"As inscrições já estão abertas e seguem até o dia 01 de setembro. Qualquer pessoa pode participar como ouvinte. Para participar das eleições, somente pessoas que representem instituições com pelo menos dois anos em atuação na área de meio ambiente na cidade", explica o secretário executivo do Comdema e membro da comissão organizadora do Fórum.

"O Comdema é um conselho deliberativo que permite a sociedade civil organizada e o governo municipal discutirem as questões ambientais em nosso município. Ele exerce um papel muito importante na elaboração de políticas públicas", ressalta o secretário de Meio Ambiente.

Uma força tarefa foi organizada, com apoio do município, para percorrer as áreas de maior risco e orientar a população.

Nesta quinta-feira (22), o Instituto Estadual do Ambiente - Inea deflagrou, na Região Serrana, a Operação Fumaça Zero. Em Petrópolis, a ação de conscientização contou com o apoio da prefeitura, através da Guarda Civil e da Defesa Civil. Moradores foram notificados sobre os riscos das queimadas, para limpeza de terrenos e lixo, bem como sobre o fato de que soltar balões é crime. Neste momento de estiagem, quando essas práticas se tornam mais comuns, o objetivo é reduzir em 30% (na comparação com 2020) os focos de incêndio. Iniciada em maio, hoje foi o dia “D” da operação.

“Essa é uma importante integração de forças entre o Estado e o município, nesse trabalho de mostrar para a população o papel de todos nós no combate às queimadas. Os incêndios florestais trazem prejuízos, não só para nossas matas e nossa fauna, mas também para a própria população, com a poluição do ar e os riscos à vida das pessoas”, destacou o governo interino.

Em Petrópolis, o alvo principal da força tarefa foi o bairro de Secretário, distrito de Pedro do Rio. “O levantamento feito pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), referente aos últimos dez anos, aponta que 52% dos focos de incêndio de Petrópolis aconteceram nesta região de Secretário (Pedro do Rio)”, ressaltou o chefe de unidade do Inea.

Desde o início da manhã, os agentes percorram a estrada da Cachoeirinha e as demais vias vicinais da região, indo de casa em casa, orientando e notificando os moradores. Entre as pessoas abordadas pelos agentes públicos estava o técnico em jardinagem Orlando dos Santos Silva, que entende a importância do trabalho de prevenção. “É muito importante essa conscientização para evitar as queimadas. Todos os anos, a gente vê esse grande número de queimadas e os helicópteros do Corpo de Bombeiros se esforçando muito para apagar. Se a gente evitar que aconteça é muito melhor”, destacou.

Além do bairro Secretário, no distrito de Pedro do Rio, a força tarefa percorreu ainda a Estrada Philuvio Cerqueira Rodrigues (Br-495), que liga a cidade à Teresópolis. A operação vem combatendo incêndios e realizando ações de conscientização com moradores e trabalhadores de locais que precisam lidar com as queimadas ano a ano. A união das esferas pública e privada aumenta a abrangência da operação, que acontece em 13 municípios da Região Serrana do Estado do Rio de Janeiro.

“A gente já observa na região o aumento desse tipo de ocorrência, como consequência da estiagem. Especialmente a partir do segundo distrito (Cascatinha), o risco de incêndio em vegetação atingiu o nível máximo. Tivemos, por exemplo, no início da semana, um incêndio no Morro do Xingú, na Posse, que chegou próximo às residências. E a causa desses incêndios é, quase sempre, a ação humana. Seja na limpeza de terrenos com queimadas ou ainda no crime que é soltar balões, como está previsto na lei nº 9.605/98. O dia “D” da Operação Fumaça Zero é uma ação importante, porque mobiliza a população neste alerta”, ressaltou o secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias de Petrópolis, que lembra ainda que no último fim de semana a Defesa Civil deu início à ronda preventiva, que auxilia o Corpo de Bombeiros na identificação de focos de incêndio. “A população também pode colaborar através do telefone 199”.

Na manhã desta terça-feira (20), a Secretaria de Defesa Civil e Ações Voluntárias - SDCAV esteve no distrito da Posse para vistoriar a área devastada por um incêndio em vegetação no Morro do Xingu (como é conhecido o local), que fica à margem da Estrada União e Indústria. O incêndio, que teve início no fim da tarde de segunda-feira (19), se aproximou de residências, antes de ser combatido pelas equipes do 15º Grupamento do Corpo de Bombeiros.

“A gente percebe o risco que esse incêndio ofereceu às pessoas que moram neste trecho e à propriedade dessas famílias. Além disso, esse tipo de devastação tira a proteção de vegetação do solo, o que aumenta os riscos de erosão e deslizamentos no futuro”, ressaltou o secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias.

A equipe dos militares do Corpo de Bombeiros foi acionada por volta das 17h50. Segundo o Corpo de Bombeiros, por volta das 21h50 o fogo já havia sido controlado. Os militares atuaram com o apoio de agentes da Defesa Civil. Além da Posse, as regiões de Itaipava, Pedro do Rio e Cascatinha possuem no momento risco muito alto para incêndios. “É preciso destacar que o hábito de atear fogo para limpar terreno, queimar lixo, pode acabar saindo do controle e provocar incêndios como este no Xingu. Também cabe ressaltar que incêndios provocados em áreas de vegetação são crimes ambientais, o mesmo vale para a prática de soltar balões”, lembrou o secretário.

As imagens de uma onça-parda em plena Estrada da Saudade, na madrugada desta sexta-feira (16), chamou a atenção dos petropolitanos e preocupou ambientalistas. Isso porque, como ela estava fora de seu habitat natural, que é a mata, acidentes poderiam ter sido registrados, já que é um animal selvagem de médio porte, sem convívio com humanos.

Como forma de orientar a população sobre como agir no caso de avistamento de um animal do tipo, as equipes da ReBio Araras e da Secretaria de Meio Ambiente, prepararam uma orientação com os procedimentos que devem ser adotados. “Uma das primeiras medidas no caso avistamento é acionar o Corpo de Bombeiros, que já está sobreaviso”, explica uma integrante da Secretaria de Meio Ambiente.

De acordo com Erika Melo, chefe da ReBio Araras, a onça-parda é um animal de hábito solitário e noturno e, no Brasil, não existe registro de ataques a humanos. “Elas tendem a fugir. A única situação de atenção é quando está cuidando dos filhotes, o que é comum entre outros animais, inclusive nós humanos”, frisa.

A orientação é que as pessoas, se avistarem uma onça parda, deem espaço para o animal escapar, não se aproximem ou agridam. É importante manter o contato visual, falar alto e firme e levantar os braços para parecer maior. Os especialistas dizem que nunca devemos dar as costas ao animal.

Já os moradores das áreas onde o animal foi avistado podem adotar algumas medidas: se possível, instalar sensores de presença com acionamento de luz por movimento; manter animais domésticos ou de criação presos à noite, em locais iluminados ou próximos às residências; deixar rádio ou outro aparelho sonoro ligado próximo ao local de avistamento.

O Parque Natural Municipal, na Avenida Ipiranga, está se consolidando como um dos principais pontos de visitação do município. Um levantamento realizado pela Secretaria de Meio Ambiente mostra que, desde a reabertura, na segunda quinzena de fevereiro, mais de 2,6 mil pessoas visitaram o espaço. As áreas de lazer do parque foram as mais procuradas.

“O Parque é um importante atrativo da cidade e, por isso, tivemos o cuidado de garantir que ele fosse realmente cuidado. Realizamos um diagnóstico das necessidades e providenciamos as melhorias necessárias”, disse o governo interino.

De acordo com o secretário de Meio Ambiente, a pesquisa mostrou que a Praça dos Saguis é a área mais utilizada do parque e recebeu 47,2% dos visitantes. A Trilha Rodolfo Born, com cerca de 500 metros de extensão, teve 35,2%, enquanto a Trilha da Casa da Mata, com 1400 metros, registrou 17,5%.

Ao todo, até o dia 31 de junho, todo o parque recebeu 2.644 visitantes. Destes, 2.484 são do estado do Rio de Janeiro. “Percebemos que a maioria do público é petropolitano e isso nos deixou bastante animados. Temos uma área verde segura para caminhadas, exercícios ao ar livre, piqueniques”, destaca o secretário de Meio Ambiente.

O estudo mostrou ainda a idade dos frequentadores. Cerca de 60% deles tem idade entre 30 e 55 anos, seguido por jovens de 18 a 28 anos, crianças e adolescentes de 5 a 14 anos e, por último, pessoas com a faixa etária entre 55 e 80 anos. “O maior público de qualquer unidade de conservação sempre foi o escolar, porém, com a suspensão das aulas, o número de visitantes dessa faixa etária diminuiu de forma considerável. Pela primeira vez esse público é menor do que o de adultos”, explica o assessor de direção do Parque Natural e coordenador de Educação Ambiental da Secretaria de Meio Ambiente.

Além de preservar toda a fauna e a flora, no local foi realizada a revitalização de toda a sinalização e recuperação da área de passagem das trilhas. “Foram quase 120 metros de passadiços revitalizados e mais de 20 placas, que estavam defasadas ou destruídas, substituídas. Fizemos a limpeza, instalamos sinalização e assim pudemos reabrir a Trilha da Mata. Ela é a mais alta do parque, porém, era pouco visitada, pois as pessoas tinham medo de se perder. Hoje podem fazer sem qualquer risco. Ver o parque reunindo famílias, casais e grupos de amigos, é muito gratificante”, completa.

A ação aconteceu no início da noite desta segunda-feira (12).

O secretário de Meio Ambiente e o presidente da Companhia de Desenvolvimento - Comdep estiveram hoje (12), acompanhados de equipe do Instituto Estadual do Ambiente - Inea, no Parque São Vicente, no Quitandinha, para vistoriar os lagos da região. O grupo esteve no local para discutir com representante do instituto estadual detalhes sobre ações que serão realizadas no local para desassoreamento dos lagos.

"O serviço é atribuição do Inea, mas daremos todo o apoio necessário, trabalhando de maneira integrada para atender esta que é uma importante demanda dos moradores aqui da região", destacou o secretário de Meio Ambiente.

Segundo o presidente da Comdep, Prefeitura e Inea estão acertando os últimos detalhes da operação. "O serviço será iniciado o mais rapidamente possível", afirmou.


O consumo consciente de energia é o tema de ações educacionais que estão sendo levadas pela Prefeitura as comunidades atendidas pelo programa Acelera Petrópolis. Através de uma parceria com a empresa Enel, bairros como Siméria, Quitandinha, Carangola e Posse, estão recebendo a visita da “Nave Enel” – um ônibus adaptado com recursos audiovisuais, jogos lúdicos e educacionais.

O projeto utiliza tecnologia de realidade virtual 3D e os jogos são realizados com telas touch. “Usando dessas tecnologias, ele fica mais atraente para as crianças e adolescentes. Assim, além do consumo de energia, é possível disseminar, também, a importância do uso consciente dos recursos naturais e meio ambiente”, explica o governo interino.

No Acelera Petrópolis, ele está sendo desenvolvido por meio da Secretaria de Educação, que organiza a participação dos alunos e lideranças comunitárias locais. Além da visita à nave, para as crianças e adolescentes, os adultos podem participar de capacitação sobre economia de energia e preservação do meio ambiente.

"Os alunos são multiplicadores de informação e levam todo o aprendizado para suas casas e comunidade por isso, ter esses recursos como incentivo para disseminação de um assunto tão importante é um reforço valioso para crianças e jovens. A Secretaria de Educação só tem a agradecer pela parceria", disse a secretária de Educação.

No ônibus os alunos podem ver em 3D os danos que alguns atos podem causar ao meio ambiente. O espaço conta com duas salas, sendo uma para exibição dos vídeos educativos e outra para os jogos, no qual são testados os conhecimentos dos estudantes nos computadores. Através do jogo, a intenção é ensinar a colocar o lixo no local correto a fazer a separação na hora de fazer descartes nas lixeiras sustentáveis.

Em função da pandemia da COVID-19, entram na “Nave” quatro estudantes por vez. Antes, todos recebem máscara facial e higienização. Cada circuito dura seis minutos, sendo três no cinema 3D e mais três nos jogos. O ar condicionado não é ligado e as janelas da nave ficam abertas.

A Prefeitura, por meio das Secretarias de Meio Ambiente e de Defesa Civil e Ações Voluntárias vai participar, neste sábado (26), do lançamento do programa Fumaça Zero, que está sendo implantado pelo Instituto Estadual do Ambiente – Inea, nos municípios da Região Serrana. Em Petrópolis, o pontapé inicial acontece no Vale das Videiras, organizado pela Amavale, com a Fundação Ceperj. O objetivo é reduzir os incêndios florestais no período de estiagem.

As ações terão o apoio da Prefeitura, que dará suporte técnico e também atuará nas fiscalizações nas propriedades. Além de promover a educação ambiental, o objetivo do programa é realizar operações integradas de patrulhamento ambiental, promover ações educativas por meio da emissão de notificações preventivas de incêndios florestais e de realizar operações de fiscalização, para coibir práticas ambientalmente ilegais e identificar os responsáveis pelos danos.

 “O trabalho está focado, principalmente, nas zonas rurais do nosso município, para onde buscamos levar o máximo de informação. A intenção e conscientizar os moradores dessas áreas sobre os riscos de queimadas, que, na maioria das vezes é causada pelos próprios, seja para limpar o terreno, acabar com infestação de carrapatos, entre outros”, disse o secretário de Meio Ambiente do município.

Os incêndios florestais agridem o meio ambiente e agravam os quadros de doenças respiratórias. No ano de 2020, em meio a pandemia, o Inea lançou a Operação Fumaça Zero na Região Serrada no Rio de Janeiro, com o intuito de coordenar os esforços das mais diversas agendas que trabalham na prevenção e combate a esse crime, tais como: Corpo de Bombeiros militar, Polícia Militar, Polícia Civil, secretarias municipais de meio ambiente, dentre outras.

O setor de fiscalização da Secretaria de Meio Ambiente e o Grupamento de Proteção Ambiental (GPA) da Guarda Civil realizaram ontem (10.06) uma ação conjunta para coibir loteamentos de terra irregulares no Floresta e no Caetitu. As equipes flagraram o corte irregular de, pelo menos, 22 árvores somando os dois locais. Os agentes chegaram a esses locais após inúmeras denúncias de moradores.

No bairro Floresta, a equipe constatou uma área já demarcada com corte de aproximadamente quinze árvores. No momento da operação, não havia nenhum responsável pelo terreno. Neste caso, o proprietário já foi identificado e será notificado para que apresente a documentação atestando a regularidade do local, bem como a autorização para o corte das árvores. Caso não possua, será responsabilizado.

Já no Caetitu, os agentes identificaram o corte de sete árvores e o início de duas construções irregulares. O proprietário não possuía a autorização para o corte de árvores e alvará de obra e foi multado pelas intervenções. Neste caso, há indícios de que é uma área pública que, aos poucos, vem sendo desmatada e sendo expandida de forma desordenada, avançando em áreas de mata.

“Nós vamos continuar trabalhando no sentido de coibir as infrações na localidade para garantir o cumprimento da legislação ambiental e a ajuda da população é muito importante para o êxito das nossas ações”, explicou o secretário de Meio Ambiente.

O chefe do setor de fiscalização da secretaria de Meio Ambiente alerta que é necessário a autorização da pasta para realizar o corte de árvores, “É importante frisar que para realizar o corte de árvores é necessário obter, previamente, a autorização ambiental, independente da espécie, sob pena de multa e responsabilização pelo dano ambiental causado”, disse.

Nesse primeiro semestre, a Secretaria de Meio Ambiente já atendeu 233 denúncias de infrações ambientais no município, entre casos de supressão de vegetação, poluição de curso hídrico, contaminação de solo, empresas exercendo atividade sem licença ambiental e queimadas.

As denúncias podem ser realizadas de forma anônima através do telefone (24) 2246-9241, ou pessoalmente na Secretaria de Meio Ambiente, que fica localizada na Avenida Koeller nº 87 – Centro.

Pagina 4 de 47