O evento é uma realização do Conselho Municipal dos Diretos da Mulher em parceria com o Gabinete da Cidadania

O 14ª Dossiê Mulher foi lançado nacionalmente do mês de abril, apresentando dados levantados pelo o Instituto de Segurança Pública (ISP), dos principais crimes sofridos pelas mulheres no estado do Rio de Janeiro. Na próxima quarta-feira (29.05), às 18h, a diretora-presidente do ISP, Adriana Mendes irá apresentar o Dossiê da Mulher 2019 durante a reunião do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher (Comdim), na Casa dos Conselhos - Av. Koeler, 260, Centro.

Nesta edição, os dados apurados de 2018, mostraram que 350 mulheres foram vítimas de homicídio doloso – quando há intenção de matar, 62% dos casos de feminicídio ocorreram dentro da residência das vítimas. Foram registrados 4.543 estupros no estado do Rio de Janeiro e 70% com menores de idade. Os crimes analisados no Dossiê foram: homicídio doloso, feminicídio, tentativa de homicídio, tentativa de feminicídio, estupro, tentativa de estupro, lesão corporal dolosa, ameaça, assédio sexual, importunação ofensiva ao pudor, ato obsceno, dano, violação de domicílio, supressão de documento, constrangimento ilegal, calúnia, difamação, injúria e aplicação da Lei Maria da Penha.

“A expectativa é muito positiva para a apresentação em Petrópolis.  Esperamos expandir o conhecimento acerca do Dossiê Mulher e contribuir cada vez mais para as ações de prevenção e enfrentamento à violência contra a mulher”, destacou a diretora-presidente do ISP, Adriana Mendes.

Em Petrópolis, o Dossiê Mulher apontou que 35,5% das mulheres sofreram violência psicológica, 52,1% das vítimas variam entre 30 e 59 anos e como a média estadual, 52,7 % dos casos de violência doméstica aconteceram dentro da casa da vítima. O Dossiê tem o objetivo de divulgar estes dados anualmente, para colaborar com a visibilidade da violência sofrida pela mulher, ressaltando a importância ao combate desses crimes.

Município possui uma ampla rede de assistência à vítima de violência

A cidade possui o Centro de Referência de Atendimento à Mulher (Cram) que oferece orientação jurídica, acompanhamento social e psicológico. O órgão trabalha em parceria com as delegacias de Petrópolis para atender à mulher em situação de violência – seja ela moral, verbal, patrimonial, física ou sexual. O CRAM também conta com atendimento na sede do órgão - todas as quartas-feiras, das 14h às 16h, com suporte psicológico. Há ainda um Grupo de Apoio Terapêutico (GATE), onde as mulheres são ouvidas, respeitadas e contam umas com o apoio das outras e da equipe do CRAM.

O município possui também a Sala Violeta inaugurada no Fórum em Itaipava, como mais um suporte de atendimento na rede, para a vítima de violência. O objetivo é garantir a segurança e a proteção das mulheres vítimas de violência doméstica, acelerando o acesso à Justiça. Todo o processo deve ser concluído em cerca de quatro horas. As obras da Sala Lilás, que será implantada no Instituto Médico Legal (IML) de Petrópolis, já avançaram. O novo setor será voltado para o atendimento especial às mulheres vítimas de violência, com espaço reservado e profissionais especializados.

Para denunciar ou solicitar informações, basta ligar para o telefone 2243-6152 ou comparecer à sede do Cram, na Rua Santos Dumont, número 100, no Centro. O funcionamento é de segunda a sexta, de 8h às 17h. Em casos de emergência, a mulher pode ligar em qualquer horário para o número (24) 98839-7387, disponibilizado pelo órgão.

O órgão oferece atividades de resgate da autoestima

O Centro de Referência de Atendimento à Mulher (CRAM) atendeu de janeiro a outubro deste ano, 545 vítimas de algum tipo de violência doméstica. No último mês, foram 28 novos casos assistidos e 40 retornos de mulheres que participam de todo acompanhamento que o Centro oferece. O levantamento é feito pela equipe do Cram – que é subordinado ao Gabinete da Cidadania, mostra a confiança e segurança das mulheres que buscaram ajuda.

O Cram oferece assistência para as vítimas de violência doméstica desde o aspecto psicológico até o jurídico. Na unidade, as mulheres podem contar com orientações, atividades de reinserção no mercado de trabalho, palestras, encontros semanais com psicóloga, eventos de resgate da autoestima, entre outras assistências. Todo o trabalho realizado pela equipe e os resultados que os números apresentam, mostra que essas vítimas se sentem mais confiantes para denunciar e seguras para pedir ajuda ao órgão, neste momento de extrema fragilidade.

Dentro das atividades oferecidas, no mês de outubro, as assistidas participaram de uma aula especial de auto maquiagem, com a maquiadora Marília Beliani, e com uma festa temática de Halloween.

Em 2018, o Cram atendeu 638 mulheres. O órgão trabalha em parceria com toda a rede, além das delegacias de Petrópolis para atender a mulher em situação de violência – seja ela moral, verbal, patrimonial, física ou sexual. A equipe realiza também um trabalho de conscientização com o Projeto Mulher 365, com palestras em escolas da rede municipal e em unidades de saúde dos bairros.

Para denunciar ou solicitar informações, basta ligar para o telefone 2243-6152 ou comparecer à sede do Cram, na Rua Santos Dumont, número 100, no Centro. O funcionamento é de segunda a sexta, de 8h às 17h. Em casos de emergência, a mulher pode ligar em qualquer horário para o número (24) 98839-7387, disponibilizado pelo órgão. Caso se sinta violentada de alguma forma, a mulher deve acionar a Polícia Militar pelos números 2291-5071, 2242-8005 ou ligar para o 180.

Inscrições para a corrida de domingo permanecem abertas e podem ser feitas pela internet

A expectativa é de que mais de mil pessoas participem da ação social de combate à pedofilia

Neste sábado (25.08) acontece a entrega dos kits para os inscritos na corrida infantil da Federal Kids, ação social que será realizada neste fim de semana em Petrópolis. Também será realizado o seminário de prevenção e identificação do abuso sexual contra crianças e adolescentes, voltado para profissionais de ensino, a partir das 9h, no auditório do Sesc Quitandinha. Os interessados em participar ainda podem se inscrever no site: federalkids.com.br. A ação social é uma iniciativa da Polícia Federal em parceria com o Sesc e conta com o apoio da prefeitura, através da Superintendência de Esportes e Lazer.

A Federal Kids procura alertar e despertar a população sobre o crime de abuso sexual contra crianças e adolescentes. Além do seminário e da corrida, acontecem exposições sobre o tema e palestras para que o assunto seja discutido e conversado nas famílias. A iniciativa da PF busca a prevenção dos casos em todo o estado.

“O seminário tem como público-alvo os profissionais de ensino, grandes aliados para a prevenção e identificação de um abuso e agressão contra a criança. É uma capacitação importante e que pode ajudar a descobrir diversos casos de abuso. A ideia é trabalhar de forma antecipada, evitando os casos", explica o delegado da PF, Clayton da Silva Bezerra.

A prefeitura está mobilizada para garantir que a Federal Kids seja um sucesso na cidade, assim como em outros municípios, cumprindo sua função de prevenção e combate à pedofilia. O esporte é uma ferramenta importante na formação das crianças e adolescentes.

A prefeitura está mobilizada para essa questão tão importante que é a prevenção do abuso sexual contra crianças e adolescentes. A Federal Kids vai além do incentivo à prática esportiva, promovendo a aproximação dos pais e das crianças. Será um dia de muita alegria, diversão e conscientização.

Também haverá exposição de órgãos como a Guarda, com canil, a PM, com o Proerd, e ainda de Bombeiros, Exército e Defesa Civil, que vão ajudar a mostrar para crianças exemplos bem-sucedidos a serem seguidos pelos pequenos. O Sesc também vai promover diversas ações para a criançada, com apresentação musical e recreação esportiva.

A Federal Kids já foi realizada em Campo Grande, Volta Redonda, Búzios, Campos e o Museu Aeroespacial (Campos dos Afonsos, no Rio). Em Petrópolis, a ideia é que o evento reúna mais de mil pessoas, entre crianças, adolescentes e adultos. Em setembro, a ação social será realizada em Macaé.

A equipe da UPA de Cascatinha, que voltou a funcionar como unidade de pronto atendimento no último sábado (13), viveu momentos de emoção nesta quinta-feira (18), com um parto dentro da unidade. O menino Arthur nasceu às 08h25 em parto normal, cinco minutos após a mãe dar entrada na UPA.

A mãe, de 21 anos, deu entrada na unidade já em trabalho de parto, às 8h20. Sem tempo hábil para a transferência da gestante, a equipe decidiu fazer o parto no local. Arthur nasceu após 39 semanas de gestação. Mãe e bebê passam bem.

Enfermeira do plantão desta quinta-feira, Betânia Faraco conta que foi pega de surpresa. “O nosso plantão começou às 8h e, 20 minutos depois, nos deparamos com essa situação. Fomos pegos de surpresa. Após a chegada da gestante, ela foi direcionada para um ambiente da unidade adequado para a realização do parto”.

“Foi um momento de muita alegria, ansiedade e de muita adrenalina. Prestamos toda a assistência necessária à mãe e ao bebê de forma rápida. Estou muito feliz de ter participado desse momento, foi emocionante”, contou ela.

Mãe e filho foram encaminhados em uma ambulância para o Hospital Alcides Carneiro por volta de 9h10 e, se tudo correr bem, devem ter alta neste sábado.

O tema discutido foi a Lei Maria da Penha e orientações jurídicas

Com o objetivo de esclarecer e divulgar o trabalho realizado pelo Centro de Referência de Atendimento à Mulher (CRAM), foi realizada uma parceria com as escolas, para que os estudantes saibam detalhes da assistência disponível para mulheres em situação de violência - seja ela moral, verbal, patrimonial, física ou sexual.

A primeira palestra foi ministrada pela assistente social do CRAM, Olívia David, com a participação da coordenadora do CRAM, Cléo de Marco e da presidente do Comdim e coordenadora do Gabinete da Cidadania no qual o CRAM é subordinado, Anna Maria Rattes.  O encontro aconteceu nesta quinta-feira (21.06) no Centro Integrado de Educação Pública (Ciep) Gabriela Mistral, na Posse, para alunos do primeiro e terceiro ano do ensino médio.  O tema discutido foi a Lei Maria da Penha e as orientações jurídicas, além do acompanhamento social e psicológico que o CRAM oferece.

De acordo com a coordenadora do CRAM, Cléo de Marco, este encontro foi realizado pela agente de leitura do Ciep, Ester Guedes, com um excelente resultado. O Centro possui aproximadamente 400 alunos e o objetivo é que todos tenham acesso às informações discutidas durante as ações. A próxima palestra será com a psicóloga do CRAM, Liane Diehl.

“Para o CRAM é muito importante essa parceria com as escolas, com jovens dessa faixa etária que já entendem o que é uma agressão. O objetivo é esclarecer os tipos de violência que existem e são reais. Nós pretendemos oferecer palestras com os menores também, porém com uma linguagem mais adequada para que eles entendam a importância deste assunto”, destacou a coordenadora.

Segundo coordenadora do Gabinete da Cidadania Anna Maria, os alunos foram participativos ao tema e isto só mostra a importância de continuar com o trabalho na rede de ensino. “Tivemos uma grata surpresa: o interesse dos alunos, o trabalho orientado pela Ester, competentíssima de leitura, os cartazes e pesquisas que nos apresentaram sobre a violência contra a mulher. Realmente, excedeu as expectativas”, contou Anna Maria.

Para denunciar ou solicitar informações, pode ligar para o telefone 2243-6152 ou comparecer à sede do Cram, na Rua Santos Dumont, número 100, no Centro. O funcionamento é de segunda a sexta, de 8h às 17h. Em casos de emergência, a mulher pode ligar em qualquer horário para o número (24) 98839-7387, disponibilizado pelo órgão. Caso se sinta violentada de alguma forma, a mulher pode contatar a Polícia Militar pelos números 2291-5071, 2242-8005 ou 180, além de poder contatar via WhatsApp a emergência da Polícia Militar, pelo número (24) 99222-1489.

Seguindo o cronograma das ações de conscientização sobre violência doméstica, os alunos da Escola Municipal Júlio Frederico Koeler, no Retiro, participaram nesta terça-feira (25.06), da palestra ministrada pela delegada Juliana Zieh. O ciclo de palestras pela rede de ensino, é uma realização do Gabinete da Cidadania em parceria com a Secretaria de Educação e com a 106ª Delegacia de Polícia. O objetivo de conscientizar e prevenir entre os jovens a violência contra a mulher.

Os alunos do 4ª e 5ª ano com idades entre 10 e 13 anos, puderam discutir sobre o crime de violência doméstica, abuso sexual, violência psicológica entre outras. Durante a palestra, a delegada apresenta todos os dados e as questões jurídicas envolvendo a agressão contra mulher, além de explicar o funcionamento da Lei Maria da Penha.  O trabalho de prevenção realizado dentro das unidades de ensino, possibilita a identificação de possíveis abusos sofridos, além de aproximar os alunos da polícia civil. Este contato oportuniza os jovens a denunciar uma violência, e ainda os tornam conscientes das consequências deste ato.

“As crianças interagiram durante a palestra e achei que a abordagem foi muito adequada e acessível as crianças. Aqui atendemos alunos que comunidades onde a violência é muito presente. Esse tipo de discussão é muito importante para todos”, relatou a diretora da unidade, Valeria Boynard.

Desde o mês de março, o Gabinete de Cidadania já realizou palestras em nove escolas da rede de ensino municipal, alcançando mais de mil alunos. O intuito de mostrar aos jovens todo os malefícios da violência doméstica, as consequências para a vítima e para família.

Cerca de 90 alunos da Escola Municipalizada Santa Terezinha, na comunidade Vila Rica, em Pedro do Rio, participaram nesta terça-feira (12.11) da palestra com a delegada da 106ª Delegacia de Polícia, Juliana Ziehe, junto com a coordenadoria de Gabinete da Cidadania. A ação faz parte do projeto “Minha Aurora” criado pela Polícia Civil, em parceria com a prefeitura de Petrópolis.

Os alunos do 6º, 7º, 8º e 9º ano puderam tirar as dúvidas sobre violência doméstica, estupro, crimes cibernéticos, bulying entre outros. “As crianças gostam e participam sempre das palestras. A delegada aborda o assunto que é delicado, de forma clara e objetiva e sempre muito educativa”, destacou a diretora adjunta, Mônica Machado.

A iniciativa cria um novo modelo de atendimento de saúde e social a vítimas de estupro e terá um trabalho educativo de orientação sobre como identificar e agir em casos de abuso sexual. Ao mesmo tempo, os novos equipamentos do Posto Regional de Polícia Técnico-Científica (PRPTC) vão auxiliar a Polícia Civil a dar uma resposta mais rápida nas investigações desses crimes.

Iniciativa é do Gabinete da Cidadania

Inscrições podem ser feitas até o dia 22 de março

Homenagear as mulheres e promover a literatura através da divulgação e publicação de poesias e crônicas. Com esse objetivo, o Gabinete da Cidadania vai realizar no mês de março o 1º Concurso de Poesias e Crônicas em comemoração ao Mês da Mulher 2019, voltado para a participação de alunos da rede municipal de Educação. As inscrições poderão ser feitas até o dia 22 de março.

O concurso é destinado aos estudantes do 4º e 5º ano do Ensino Fundamental. Todos os inscritos deverão estar matriculados em estabelecimentos públicos. As escolas serão responsáveis por inscrever os alunos.

“Essa é uma parceria com a Secretaria de Educação com o objetivo de envolver os jovens na questão da não violência contra a mulher. Queremos estimular a participação de todos. As mulheres merecem essa atenção e os homens podem ser cada vez mais parceiros e amigos”, disse a coordenadora do Gabinete da Cidadania,  Anna Maria Rattes.

Cada participante poderá inscrever apenas uma obra (poesia ou crônica).  As inscrições devem ser realizadas pelo e-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Vale salientar que as obras deverão ser inéditas. Os textos serão julgados por uma comissão julgadora e o resultado dos melhores será divulgado até o dia 25 de março.

Todos os inscritos receberão certificado de participação e os primeiros colocados, em número a ser definido pela Comissão Julgadora, serão premiados com medalhas. As obras inscritas serão incorporadas ao Gabinete da Cidadania, para eventual edição de uma publicação digital ou em meio impresso.

“Temos nas escolas alunos que gostam de participar de concursos e também apreciam a arte da escrita. Essa será uma ótima oportunidade para estimular a criação de textos poéticos. Tenho certeza que teremos bons resultados”, contou a secretária de Educação, Marcia Palma.

A premiação dos trabalhos selecionados do concurso de Poesias e Crônicas em comemoração ao Mês da Mulher, acontecerá em cerimônia a ser realizada no dia 26 de março de 2019, às 10h, na Casa dos Conselhos Augusto Zanata, situada à Av. Koeler, 260 – Centro – Petrópolis – RJ.

Seguindo a programação das comemorações ao Dia Internacional da Mulher (08.03), o Festival “Mulher, Cinema e Debates” realizado nesta quinta-feira (07.03), pelo Conselho Municipal dos Direitos da Mulher (COMDIM), em parceira com Museu Imperial, Cineclube Raul Lopes e Ginja Filmes, mobilizou petropolitanas que assistiram ao filme “A esposa” e depois realizaram um debate com a participação de especialistas. Encontros como este acontecerão todas às quintas-feiras do mês de março, às 19h, no Museu Imperial.

O objetivo da mostra é fazer uma reflexão sobre os temas abordados nos filmes, oferecer entretenimento para a celebrar do mês da mulher, como também disponibilizar acesso à informação para as mulheres e ao público em geral sobre direitos, cuidados e combate à violência contra mulher.

“O Festival é uma das atividades que estão acontecendo no município para comemorar o mês das mulheres. O debate foi de grande valia para todo o público presente e sempre ressaltamos os direitos das mulheres e não a violência doméstica ou qualquer tipo de violência”, frisou a coordenadora do Gabinete da Cidadania e presidente do Comdim, Anna Maria Rattes.

O filme apresentado conta a história de Joan Castleman (Glenn Close) que é casada com um homem controlador e que não sabe como cuidar de si mesmo ou de outra pessoa. Ele é um escritor e está prestes a receber um Prêmio Nobel de literatura. Joan, que passou 40 anos ignorando seus talentos literários para valorizar a carreira do marido, decide abandoná-lo.

O debate foi mediado pela Lilia Monteiro com a participação da coordenadora do Gabinete da Cidadania e presidente do Comdim, Anna Maria Rattes; da Psicóloga e Psicanalista, Doutora em Saúde Coletiva (IMS/UERJ), Professora titular da UCP, Miriam Oliveira Mariano e psicóloga do Cram, Liane Bauer Castor Diehl.

Oitenta funcionários do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), foram homenageados na manhã desta quarta-feira (03) pelo Governo Municipal e por um vereador. Os colaboradores receberam moções congratulatórias pelos relevantes serviços prestados à comunidade.

A homenagem, realizada de forma conjunta com um vereador do município, respeitando todo o protocolo da Vigilância Sanitária, aconteceu na sede do Samu, na Avenida Barão do Rio Branco. 

O coordenador administrativo do Samu, José Geraldo Rocha, que trabalha no local desde a sua instalação, em 2014, disse que esta é a primeira vez que a equipe tem o trabalho reconhecido pelos poderes Executivo e Legislativo. “É um trabalho de dedicação e esse reconhecimento é uma grande recompensa. A sensação é de valorização”, enfatiza.

Pagina 9 de 19