O “Ônibus Lilás”, do Centro de Referência em Atendimento a Mulher – CRAM esteve no Alto Independência, nesta sexta-feira (11), acolhendo as mulheres da comunidade. Ao todo, entre às 9h e 14h, foram realizados 12 atendimentos na estrutura. Essa foi mais uma ação do mutirão de serviços do programa Acelera Petrópolis, na localidade.

A equipe, composta por psicólogo, assistente social e uma advogada, esclareceu dúvidas e deu orientações as moradoras sobre diferentes assuntos relacionados ou não a casos de violência doméstica. 

A coordenadora do CRAM destacou que o ônibus lilás é um meio importante de aproximação do poder público com as mulheres que estão em regiões mais afastadas do centro da cidade. “Essa visita do ônibus lilás, que já esteve nesta comunidade em anos anteriores, é importante. Isso porque, desde janeiro de 2021, o Alto Independência foi o local que mais apresentou ocorrências de violência. Estamos felizes em poder retornar e, com a equipe completa, trazer diversos serviços, assim como orientação adequada e humanizada”, disse.

Dentro das ações do mutirão de serviços do programa Acelera Petrópolis, lançado na segunda-feira (07), foram realizadas a substituição de lixeiras, recolhimento de entulho, troca de lâmpadas convencionais por equipamentos de led, capina, roçada, revitalização de sinalização viária, entre outra série de ações.

Nesta primeira edição do programa, estão sendo contempladas as comunidades do Independência, São Sebastião, Siméria, Quitandinha, Taquara, Bairro Mauá, Cremerie, Dr. Thouzet, e Valparaíso.

O programa reúne Comdep, CPTrans, assim como todas as secretarias municipais. As próximas comunidades atendidas pelo mutirão de serviços serão Carangola, Jardim Salvador, Roseiral e Retiro.

Jovens em vulnerabilidade social, acolhidos em instituições ou em conflito com a lei poderão ser beneficiados através do Programa Jovem Aprendiz, por meio de uma proposta apresentada na manhã desta quinta-feira (10), pelos juízes José Cláudio de Macedo e Alexandre Teixeira de Souza, da Vara da Infância e Juventude ao presidente da Comdep.

O presidente da Comdep destacou a importância do envolvimento do poder público na questão. “Acredito que tanto o poder público, quanto as empresas privadas tem esse dever. Agora, vamos analisar a proposta para podermos alinhar a forma de aderi-lo”, disse o presidente da companhia.

A idéia surgiu depois de uma conversa entre os dois juízes que decidiram leva-la a companhia. De acordo com o juiz José Cláudio de Macedo, titular da Vara da Infância e Juventude, Petrópolis será o primeiro município do interior do Estado a participar da ação.

“Essa ideia pode mudar o presente e o futuro de muitos jovens. A intenção é gerar oportunidades e prepara-los para o mercado de trabalho”, frisa. “A expectativa é de que a iniciativa estimule juízes de outras comarcas a seguirem o exemplo“, complementa o juiz Alexandre Teixeira de Souza.

O Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos - SCFV nos Centros de Referência em Assistência Social – CRAS do Independência e Quitandinha serão retomados. O anúncio foi feito durante visita às comunidades que, esta semana, estão sendo beneficiadas pelo mutirão de serviços do programa Acelera Petrópolis.

De acordo com a secretária de Assistência Social, o serviço será retomado com o grupo um de mulheres, tendo como tema "As 17 Metas Globais - ODS - Objetivo do Desenvolvimento Sustentável. Palestras e oficinas farão parte das atividades semanais, com reflexões que vão desde a erradicação da pobreza, a educação de qualidade, energia limpa e acessível, cidades e comunidades sustentáveis, entre outros.

“É um serviço importante, principalmente neste momento de pandemia. O engajamento de todos e o envolvimento do poder público é essencial para garantirmos os melhores resultados. Para os encontros presenciais, vamos garantir que todos os protocolos de saúde sejam cumpridos adequadamente”, frisa a secretária.

Para participar, basta que as mulheres estejam inseridas no Cadastro Único e sejam atendidas por uma das duas unidades. O CRAS do Alto Independência fica na Rua José Lino, enquanto a unidade do Quitandinha está instalada na Rua Amazonas.

Os 17 Objetivo do Desenvolvimento Sustentável - ODS que servirão como tema dos trabalhos do SCFV são: Erradicação da Pobreza; Fome Zero e Agricultura Sustentável; Boa Saúde e Bem Estar; Educação de Qualidade; Igualdade de Gênero; Água Potável e Saneamento; Energia Limpa e Acessível; Emprego e Crescimento Econômico; Indústria, Inovação e Infraestrutura; Redução das Desigualdades; Cidades e Comunidades Sustentáveis; Consumo e Produção responsável; Ação contra a Mudança Global do Clima; Vida na Água; Vida Terrestre; Paz, Justiça e Instituições Eficazes e Parcerias e meios de Implementação.

A Prefeitura de Petrópolis, por meio da Coordenadoria de Bem-estar Animal (Cobea), realizou neste sábado (5), mais uma campanha de adoção responsável de cães e gatos. O objetivo é dar um lar aos animais que se encontram temporariamente com voluntários da causa. O evento aconteceu na Praça Dom Pedro.

Segundo o coordenador da Cobea, os animais levados para adoção responsável estão prontos, ou seja, castrados, vermifugados e vacinados contra a raiva. Só nesta edição seis cachorros encontraram um novo lar. Desde o início da atividade neste ano, em fevereiro, 36 foram adotados. “Podemos dizer que a campanha está sendo um sucesso”, destacou.

A campanha, cujo lema é “Não compre, adote”, conta com a participação de voluntários que também dedicam parte de seu tempo para cuidar de animais abandonados. Um deles é o “Amigo Viralata”, coordenado por Cris Sofia, que levou três cachorros e três gatos à adoção na campanha deste sábado. A protetora diz que eventos como este ajudam a amenizar o sofrimento de animais abandonados.

Além do “Amigo Viralata”, os demais parceiros da campanha são o Dog’s Heaven (@dogsheaven), Proteção Cão Amor (@protecaocaoamor) e GAPA Itaipava (@gapaitaipva.ong). A Companhia Petropolitana de Trânsito (CPTrans), a coordenadoria da Juventude e a loja de ração Rospauth também são apoiadoras do evento. Para realizar a adoção, é necessário ter mais de 18 anos, comprovar residência fixa e apresentar RG e CPF.

Começou hoje (25/05) a entrega da homenagem concedida pela prefeitura para as mulheres negras que fizeram parte das três edições da Semana das Pretas Afro Serra. O governo municipal entregou seis de um total de 30 placas. O evento é organizado pelo Grupo Afro Serra e tem objetivo de valorizar as conquistas e trabalhos realizados pelas negras petropolitanas.

Segundo Mônica Valverde, fundadora do Afro Serra, essa homenagem representa muito para o grupo. "Pela primeira vez, em 10 anos de existência, o poder público nos procurou. Eu fiquei muito surpresa e feliz pelo reconhecimento. Todas nós ficamos muito emocionadas com essa homenagem. É um orgulho e um dia de muita alegria", contou.

Neste ano, aconteceu no início de maio a terceira edição da "Semana das Pretas Afro Serra". A programação contou com a participação de mulheres negras petropolitanas falando sobre suas conquistas, trabalhos realizados e novos projetos. O evento aconteceu em alusão a assinatura da Lei Áurea – em 13 de maio – data para "refletir e exigir nossos direitos", segundo o grupo.

Nove cães ganharam um novo lar neste sábado (22.05), na quarta edição da campanha de adoção organizada pela Prefeitura, por meio da Coordenadoria de Bem-estar Animal (Cobea), na Praça Dom Pedro. Foram adotados dois cachorros adultos e sete filhotes. Os novos donos dos pets receberam um certificado de adoção.

Ao todo, a campanha já garantiu a adoção de 31 animais – 27 cães e 4 gatos. O evento tem como objetivo estimular a posse responsável. A ação também fez o recolhimento de doações de ração que serão entregues aos protetores da cidade.

Lembrando que, todos os animais (filhotes e adultos) levados pelos protetores ou pela coordenadoria à feira estarão vacinados, vermifugados e castrados.

Também estiveram presentes no local agentes da Companhia Petropolitana de Trânsito (CPTrans) distribuindo folhetins informativos em alusão ao Maio Amarelo, mês de conscientização para redução de acidentes de trânsito, e representantes da Coordenadoria da Juventude.

Além disso, as ONG’s Dog’s Heaven (@dogsheaven), Proteção Cão Amor (@protecaocaoamor) e GAPA Itaipava (@gapaitaipva.ong) permaneceram com barracas no local.

Mais de 60 animais poderão ser adotados

A prefeitura, por meio da coordenadoria de Bem-estar Animal (Cobea), promove neste sábado (22/05) a quarta edição da Campanha de Adoção. Com os lemas “não compre, adote” e “adotar é tudo de bom”, a ação vai acontecer na Praça Dom Pedro, de 10h às 15h, com o objetivo de estimular a posse responsável.

Serão mais de 60 animais, entre cães e gatos, disponíveis para receber um novo lar. Seis barracas estarão destinadas às três ONG’s participantes. São elas: Dog’s Heaven (@dogsheaven), Proteção Cão Amor (@protecaocaoamor) e GAPA Itaipava (@gapaitaipva.ong). A Companhia Petropolitana de Trânsito (CPTrans), a coordenadoria da Juventude e a loja de ração Rospauth também são apoiadoras do evento.

Desde a primeira etapa que aconteceu na segunda semana de fevereiro, 22 “pets” – 18 cães e quatro gatos - foram acolhidos por novas famílias. Todos os animais (filhotes e adultos) levados pelos protetores ou pela coordenadoria à feira estarão vacinados, vermifugados e castrados.

O processo de adoção é simples e rápido. O interessado precisa apenas apresentar seus documentos de identidade e CPF, comprovante de residência, além de ser maior de 18 anos. Qualquer representante, seja individual ou empresa, que deseje incentivar de alguma forma a campanha, bem como, os interessados em adotar algum animal, podem esclarecer todas as suas dúvidas diretamente com a Coordenadoria através do telefone: (24) 2291-1505; ou pelo e-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. .


Na Semana de Combate e Enfrentamento ao Abuso e Exploração Sexual Contra Crianças e Adolescentes, a Prefeitura de Petrópolis atua com objetivo de fortalecer a luta contra esse crime, por meio do Centro de Referência Especializada de Assistência Social (CREAS) e os equipamentos da Secretaria de Assistência Social. De acordo com dados do CREAS, 12 famílias estão sendo assistidas de forma permanente por uma equipe multidisciplinar. Todas recebem atendimento de psicólogos e assistentes sociais que acompanham o trabalho de mitigação dos efeitos do abuso.

“Trabalhamos dentro da perspectiva das famílias. Por isso, o CREAS realiza um trabalho em rede, unificando diferentes setores da saúde para acompanhar as vítimas do abuso no município. Esta mesma rede atua no sentido de minimizar as sequelas, buscando reestruturar os vínculos com um acompanhamento psicológico”, explicou a responsável pelo CREAS.

Só neste ano, cinco casos de abuso se somaram aos atendimentos que já eram prestados por outros equipamentos. Segundo o Núcleo de Atendimento Psicológico Especializado Infanto-Juvenil (Nape-IJ), o município acompanha 47 jovens atendidos pelo município. O levantamento aponta que as meninas seguem como maioria vítimas de abuso sexual.

O CREAS desenvolve ações e palestras com as famílias que passaram por algum tipo de importunação unindo aspectos da saúde, educação e trabalho. Por meio do trabalho da assistência social, busca resgatar a autoestima das pessoas que sofreram algum tipo de violação para superar o drama físico e psicológico e reencontrar uma vida plena.

“O trabalho em rede contribui para minimizar o impacto das sequelas do abuso. Muitas das vítimas sentem-se culpadas pelo ocorrido. Por isso, desenvolvemos uma proposta de médio prazo para que o indivíduo ou famílias se reestruturem e possam viver suas vidas de forma mais tranquila”, disse a psicóloga Ângela do Valle.

No Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, a Prefeitura, por meio da Coordenadoria Especial de Articulações Institucionais – CEAI, está intensificando a divulgação das ações de proteção infanto-juvenil. Com leis específicas, a cidade é referência no Estado. O trabalho está sendo desenvolvido junto com os Conselho Tutelar e Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente.

Estão em vigor, no município, a lei que torna obrigatório a divulgação de informações relacionadas ao tema em todo o “material publicitário, informativo ou de cobrança produzido pela administração pública e pelas concessionárias ou permissionárias” e a lei que estabelece o “protocolo de proteção integral e de atuação em rede, no atendimento de crianças e adolescentes vítimas de violência sexual, por abuso ou exploração sexual”.

O protocolo de proteção garante que a vítima seja acolhida pelo Conselho Tutelar e ouvida pelo Núcleo de Atendimento Psicológico Especializado - Infantojuvenil - NAPE-IJ, que remete o documento para as outras instituições.

A coordenadora Especial de Articulações Institucionais destaca que o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente - CMDCA, teve papel importante na elaboração das leis no município. “Foi o primeiro conselho de garantias de direitos de crianças e adolescentes a discutir um fluxograma de acolhimento às vítimas, de forma que a escuta seja feita somente em um órgão”, explica a coordenadora que, no próximo dia 19, vai representar a Prefeitura em um encontro virtual com as equipes dos Serviços Franciscanos de Solidariedade, para discutir o tema.

O conselheiro Emmanuel Francisco Geraldo (Nenel), frisa a importância do Disque 100. “É um canal importante para que a população faça as denúncias sobre qualquer tipo de violência ou negligência contra crianças e adolescentes. Todos os cidadãos tem a responsabilidade de denunciar tais violências. Todas as denúncias enviadas pelo disque 100 ou recebidas diretamente nas sedes, são apuradas e caso exista situação de risco para alguma criança ou adolescente, tomamos todas as medidas para protege-los”, explica.

Para a conselheira Merilén Dias, a data deve ser lembrada para chamar atenção da população. “Não é um momento de comemoração e sim da mobilização de todos. Em Petrópolis temos uma rede de proteção e garantimos que todas as denúncias, independente da porta de entrada, são cuidadosamente apuradas. Os casos não ficam impunes e podem ser denunciados, inclusive, de forma anônima. As pessoas precisam estar atentas e entrar em contato mesmo que a desconfiança seja mínima”, frisa.

Com o objetivo de melhorar a estrutura para atendimento a pessoas com transtorno do espectro autista em Petrópolis, o governo interino vem conversando com representantes de entidades que prestam atendimento exclusivo a estes pacientes. Na manhã desta terça-feira (11.05), o prefeito esteva na sede do Gaape - entidade que presta assistência a pessoas com transtorno do espectro autista há 20 anos na cidade. A entidade conta com 25 funcionários e atende hoje 155 autistas. O prefeito, que estava acompanhado pelo presidente da Câmara de Vereadores, Fred Procópio, foi recebido pela fundadora do Gaape, Márcia Loureiro e pelo presidente da entidade, Victor Andres Escobar. Durante a reunião foi discutida a possibilidade de criação de um protocolo para melhorar o processo para diagnóstico e atendimento de pessoas com transtornos do espectro autista na cidade. Somente a rede municipal de educação atende 355 crianças com autismo.

O Gaape disponibiliza hoje atendimento com nutricionista, psicólogo, fonoaudiólogo, fisioterapeuta, pedagoga, psicopedagogo, assistente social, além de inclusão digital para os pacientes atendidos. A entidade funciona de segunda a sexta-feira no turno da manhã e as segundas-feiras no turno da tarde. Durante a pandemia os atendimentos estão sendo realizados de forma virtual, com atendimento presencial para os casos de emergência.

“Vermos um prefeito com apenas quatro meses à frente do governo nos procurar interessado na causa Azul, interessado em dialogar e saber mais sobre o autismo é muito positivo. É muito importante termos um protocolo para diagnóstico e discutirmos políticas que possam melhorar a qualidade de vida dos autistas e de suas famílias. É uma semente que está sendo plantada hoje”, destaca a fundadora do Gaape, Marcia Loureiro, lembrando a importância da agilidade no diagnóstico para o desenvolvimento da pessoa com transtorno de espectro autista.

“Este interesse do prefeito na causa e a disposição em criar uma política pública voltada para os autistas certamente irá ajudar muitas famílias. É uma iniciativa muito importante”, destaca o presidente do Gaape, Victor Andres Escobar.

No fim do mês passado o governo municipal esteve na Clínica Escola do Autista – espaço que concentra diferentes tipos de atendimentos voltados para pessoas com autismo no município de Itaboraí. A clínica escola tem 30 funcionários - entre profissionais de saúde e educação. A intenção é viabilizar em Petrópolis um modelo semelhante, que concentre atendimentos médico, educacional, além de atividades lúdicas e recreativas para o desenvolvimento de autistas.

A Clínica Escola do Autista, em Itaboraí, atende 162 autistas de todas as idades. O espaço conta com pedagogas especializadas em autismo, terapeutas ocupacionais, psicólogas, neuropediatra e arteterapeuta, além de médicos de clínica geral e neurologia. fisioterapeutas, psicopedagogas, nutricionistas, fonoaudiólogas e assistentes sociais.

“Percebi com o meu filho que há uma carência de atendimento específico para os autistas, que são pessoas com características muito particulares. Aqui concentramos atendimento terapêutico com médico, fisioterapia, fonoaudiologia, nutricionista, psicopedagogas, sala de recursos para auxiliar as crianças que estudam na escola regular, enfim, todos os atendimentos em um único local e de forma individualizada. O objetivo final é dar autonomia ao autista”, explica Berenice Viana, lembrando que melhoria na qualidade de vida de um autista começa na alimentação.

Pagina 11 de 30