O município receberá um polo de capacitação - Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), em um espaço ao lado do Hortomercado Municipal em Itaipava. O projeto foi idealizado pela Prefeitura de Petrópolis em parceria com o Sindicato Rural de Petrópolis, com o objetivo de aprimorar a produção agrícola na região, assim fomentando a economia do setor. O convênio assinado pelo prefeito Bernardo Rossi na última semana garantiu recurso de quase R$ 400 mil para construção do núcleo.

Segundo dados do Censo Agro 2018, Petrópolis possui aproximadamente 15 mil pessoas vivendo na área rural, com 768 produtores. A cidade não tinha nenhuma formação técnica que pudesse aprimorar o agronegócio familiar. Estimular o crescimento do setor era uma das metas da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, através do Departamento de Agricultura. Até outubro do ano passado, foram comprados 772 quilos de legumes, frutas e hortaliças para a merenda escolar para as 184 unidades da rede municipal.

O local onde será instalado o polo, funciona hoje, o Sindicato dos Produtores Rurais de Petrópolis e terá as salas adaptadas como laboratórios, auditório, salas de informática e biblioteca. Na Escola Rural, o jovem com ensino médio poderá se especializar em curso técnico totalmente voltado para a agricultura. A especialização oferece desde a administração rural, técnicas de produção animal e vegetal, empreendedorismo, gestão de projetos a técnicas agrícolas e avanços tecnológicos

“Agora com a escola aqui bem perto da gente, ficará bem mais fácil de fazer os cursos. O Senar aqui ajuda e incentiva os filhos dos agricultores a manter o negócio da família, assim como aconteceu comigo. Trabalho com meu pai desde os 14 anos e muitos amigos meus não deram continuidade a lavoura da família. Os cursos serão ótimos para manter esses jovens no agronegócio”, frisou a produtora agrícola Giulia Bulhões da Ponte, que já fez alguns cursos no Senar no Rio de Janeiro.

Os cursos de capacitação serão muito importantes para o setor.

“O foco é capacitar mais pessoas interessadas em gerenciamento de propriedade rural, capacitação profissional. Vamos inserir o filho do produtor no gerenciamento da propriedade, para que ele tenha estabilidade e que não precise sair do ramo de família. Os produtores precisam de ajuda e capacitação para ter êxito no trabalho”, finalizou presidente do Sindicato, Henrique Mesquita da Rocha.  

Com 768 produtores rurais – identificados pelo Censo Agro 2018 – Petrópolis tem na produção rural uma vertente econômica importante para o município e o potencial do setor foi um dos assuntos abordados pela equipe da Secretaria de Desenvolvimento Econômico durante uma reunião com o secretário Estadual de Abastecimento, Pecuária, Pesca e Agricultura, Eduardo Lopes, o diretor-presidente da Emater-Rio - o professor Sérgio Lemberck e o presidente da Fiperj (Fundação Instituto de Pesca), Vicenildo Medeiros. O encontro ocorreu na sede da Emater, em Niterói.

Na ocasião, o presidente da Emater garantiu a retomada do convênio da empresa pública com o município, o que vai garantir a assistência técnica de especialistas, para dar assistência aos produtores rurais de Petrópolis. Outra ação será o apoio para o desenvolvimento do turismo rural, para alavancar uma renda extra para os produtores.

Representantes do município tiveram a  primeira aproximação com essa nova direção da Emater para mostrar o cenário agrícola da cidade.  A Emater tem o interesse de realizar outras ações em Petrópolis para fomentar o setor através de pesquisas e incentivo à agricultura com foco na sustentabilidade.

Outro ponto abordado no encontro por Vicenildo Medeiros, da Fiperj, foi a possibilidade de liberação dos especialistas da fundação para a capacitação técnica para desenvolvimento do pescado pelo pequeno produtor. No caso de Petrópolis, para a criação de tilápia e truta. Uma próxima reunião será agendada para discutir a estrutura necessária para a pratica da ação.

 A agricultura está trabalhando para garantir as certificações necessárias para a venda de produtos petropolitanos em feiras fora da cidade.A cidade tem uma mão de obra especializada que produz alimentos de boa qualidade e que podem elevar o nome da agricultura para eventos em outros municípios.

O Censo Agro 2018 identificou 768 produtores rurais em Petrópolis, uma cadeia produtiva importante para a cidade: desde o fornecimento de produtos de qualidade para a merenda escolar até no atendimento da população nas feiras semanais no Hortomercado Municipal. E, para estimular o crescimento desse setor, a Secretaria de Desenvolvimento Econômico solicitou a implantação de um polo de ensino do Senar – Serviço Nacional de Aprendizagem Rural que fornecerá cursos técnicos para agricultores da cidade. Além disso, busca certificações que possam garantir a venda dos produtos petropolitanos em feiras fora da cidade.

O processo para a implantação de um polo do Senar está em andamento. A verba proveniente de uma emenda com recursos do Ministério da Agricultura deverá ser liberada este ano e um espaço no Hortomercado será separado justamente para a instalação do polo.. Além da instalação do polo do Senar, o poder público vai reformar o Hortomercado Municipal: revitalizar a parte elétrica e melhorar a pintura são algumas das melhorias previstas.

A agricultura também incentivou os produtores rurais para que eles possam participar das licitações do poder público. “O nosso objetivo é oferecer apoio aos 768 produtores rurais. Destes, 104 já fornecem para a merenda escolar e o objetivo é aumentar esse número”, afirma o secretário de Desenvolvimento Econômico, Marcelo Fiorini. Até outubro do ano passado, foram comprados 772 quilos de legumes, frutas e hortaliças para a merenda escolar para as 184 unidades da rede municipal.

Outro processo que está em andamento é o de compra de maquinário para o fomento da produção agrícola. Um recurso proveniente do Ministério da Agricultura vai facilitar a compra de máquinas como Arado Reversível 3 Discos, Roçadeira de Arrasto SP2 e Conjunto de Lamina Dianteira para trator.

“Essas máquinas serão importantes para o auxílio dos produtores rurais no que diz respeito à manutenção dos espaços e escoamento das produções”, explica o diretor do Departamento de Agricultura da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, José Maurício Soares.

Venda de produtos petropolitanos em outras cidades

Para facilitar a venda de produtos de Petrópolis em feiras fora do Estado também está em fase de aprovação a Lei do SIM. “O selo permitirá que produtos feitos em Petrópolis como queijos possam ser vendidos em outras feiras, aumentando, assim, a renda desse setor produtivo”, conta José Maurício.

Outra frente também foi aberta para garantir que famílias que trabalham com produtos artesanais de origem animal, como mel, por exemplo, possam vender seus produtos até mesmo fora do estado, através do Selo Arte – criado através da Lei 13.680/18. Essa preocupação não é à toa: o Censo Agro 2018 identificou em Petrópolis a existência de 11 estabelecimentos produtores de mel e outros 23 que vendem queijos e requeijão. A certificação do Selo Arte prevê uma fiscalização estadual dos produtos. O Departamento de Agricultura está atuando nos estudos sobre o Selo Arte realizados pela Câmara Setorial de Agronegócios da Alerj.

Para 2019 o Departamento de Agricultura estuda, ainda, a criação de um entreposto agrícola, para escoamento da produção e a consolidação de um Banco de Alimentos, com um trabalho intenso para evitar o desperdício, principalmente após as feiras.

Frutas frescas e orgânicos estão entre os produtos mais procurados para a festa

Mais de 3 mil pessoas devem passar pelo Hortomercado Municipal, em Itaipava, entre este sábado (29.12) e segunda-feira (31), véspera de Réveillon. Os 35 boxes e duas lojas - que vendem as delícias produzidas, em sua maioria, por produtores da cidade, além do Bar do Horto, vão funcionar normalmente durante todo o fim de semana, de 8h às 18h, e abrem também na segunda, com horário até 14h. A expectativa é de que frutas frescas, laticínios, sementes e orgânicos sejam os produtos mais procurados para incrementar a ceia de virada de ano. Neste período, os produtores chegam a faturar até 10% a mais do que outros meses.

Legumes, verduras, shitakes, frios, entre diversos outros produtos estão entre as opções oferecidas no Hortomercado, que leva o nome de José Carneiro Dias. 

A expectativa é de receber também muitos turistas que estão hospedados em hotéis para o Réveillon e também veranistas, já acostumados a fazer uma parada no Hortomercado.

Além de Itaipava, outra opção são as feiras livres. Na Rua Souza Franco, no Centro, ela funciona neste sábado, de 6h às 15h e na segunda até às 14h30. Já no Alto da Serra, os produtos serão vendidos no domingo, de 6h às 15h. 

“Esperamos que as pessoas procurem muito por frutas frescas, ou queijos, nozes e orgânicos, no caso do Horto. Neste período os produtores costumam comemorar o aumento nas vendas”, completa o diretor do Departamento de Agricultura da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, José Maurício Soares.

Quem deixar as compras para a última hora poderá aproveitar para frutas, legumes e verduras fresquinhos no Hortomercado Municipal, em Itaipava: o espaço vai funcionar normalmente no próximo sábado e domingo e também no dia 24, véspera de Natal.

É uma boa oportunidade para os petropolitanos que moram nos distritos. No Horto são vendidos alimentos de qualidade e frescos. A compra de alimentos produzidos na cidade movimenta a economia e estimula a produção.

No sábado (22) e no domingo (23) o Horto vai funcionar das 8h às 18h. Já na véspera do Natal, dia 24, os boxes ficarão abertos das 8h às 16h.

São 35 boxes mais três lojas nesse espaço consolidado como importante local de venda de produtos de qualidade e que recebe muitos visitantes de fora de cidade nos fins de semana. A população deve prestigiar o Horto e as feiras livres. Esses produtores são importantes para a economia da cidade.

Como já é tradição, a expectativa é de que procura maior seja por frutas. “Nessa época é comum as pessoas comprarem frutas da estação e também as secas, que são muito utilizadas nas tradicionais receitas natalinas. Os produtores se prepararam, têm um estoque bom e garantem bons preços para os visitantes”, disse o diretor do Departamento de Agricultura da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, José Maurício Soares.

Feira livre no dia 24 também na Souza Franco

Quem preferir comprar nas feiras livres, poderá aproveitar as feiras livres: no sábado, dia 22, vai ter feira livre na Rua Souza Franco, das 6h às 15h. No domingo, dia 23, a feira vai ocorrer no Alto da Serra, das 6h às 13h30. A feira livre da Rua Visconde de Souza Franco também vai funcionar no dia 24, das 6h às 16h30. A expectativa é de que mais de 150 toneladas de alimentos sejam disponibilizados para o público nas três feiras.

Quarta, 19 Dezembro 2018 - 19:19

Feiras terão edições especiais para o Natal

Três feiras especiais de Natal prometem garantir produtos frescos e de qualidade para aqueles que planejam preparar a ceia. A novidade é que, nesse ano, quem deixar as compras para a última hora poderá comprar produtos frescos no dia 24 de dezembro na feira do Centro, na Rua Souza Franco.

No sábado, dia 22, vai ter feira livre na Rua Souza Franco, das 6h às 15h. No domingo, dia 23, a feira vai ocorrer no Alto da Serra, das 6h às 13h30 e no dia 24 os feirantes voltam a se reunir na Rua Visconde Souza Franco, das 6h às 16h30.

De acordo com o Departamento de Agricultura da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, serão mais de 150 toneladas de produtos frescos a venda para garantir a ceia de todos. Os itens mais procurados nessa época são as frutas como ameixas, cerejas, abacaxi, banana e laranja, terão destaque, além dos tradicionais legumes: batata, tomate, cenoura e cebola.

De acordo com Luiz Henrique Lélis, supervisor Geral de Agricultura Abastecimento e Produção só de batata inglesa serão disponibilizados nas três feiras, 25 toneladas. Laranja, 20 toneladas; maçã, 3 toneladas; mamão, 10 mil unidades; tomate, 32 toneladas; cebola, 4 toneladas; cenoura, 17 toneladas e banana, 30 toneladas. Além de variedades de manga, cereja e uva. Serão 25 mil abacaxis, uma das frutas mais procuradas para a ceia.

Garantir que famílias que trabalham com produtos artesanais de origem animal, como mel e queijo, por exemplo, possam vender seus produtos até mesmo fora do estado, em feiras específicas, além de receber o Selo Arte. Esta é a intenção do Departamento de Agricultura da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, que está atento ao crescimento do setor. A comercialização de produtos artesanais de origem animal é uma vertente econômica que vem sendo cada vez mais explorada no país: microempreendedores são os que mais decidem investir no mercado, principalmente na comercialização direta. Em Petrópolis, o cenário não é diferente. O Censo Agro 2018 identificou a existência de 11 estabelecimentos produtores de mel e outros 23 que vendem queijos e requeijão.

Técnicos do departamento de Agricultura vem participando ativamente das discussões sobre Lei 13.680/18 que prevê uma fiscalização estadual e também a criação do Selo Arte, que identifica os produtos e permite a comercialização fora dos estados onde são produzidos. Na última semana o assunto foi discutido durante uma reunião da Câmara Setorial de Agronegócios da Alerj, ocorrida na Federação de Agricultura, Pecuária e Pesca do Estado do Rio de Janeiro (Faerj).

Ter um selo de certificação do produto é importante para os produtores. A prefeitura busca garantir que essa lei beneficie os petropolitanos que dependem da venda desse tipo de produto. O município sabe que expandir a venda para as feiras fora da cidade vai garantir um aumento substancial na renda dessas famílias, pois a certificação dos produtos abrirá portas. A Secretaria de Desenvolvimento continuará acompanhando as etapas de implantação da lei.

Marcelo Fiorini, secretário de Desenvolvimento Econômico, avalia que a Lei pode estimular o crescimento do setor, já que os produtos poderão ter um selo de identificação.

“A preocupação da Secretaria de Desenvolvimento Econômico é a de garantir que o selo possa garantir essa facilidade de vender o produto em outros locais. Queremos estimular o crescimento desse tipo de venda que é uma realidade e pode fortalecer ainda mais a cadeia econômica da cidade, levando o nome de Petrópolis para feiras em outros municípios”, explica Marcelo Fiorini.

Além do Selo Arte, a lei destaca a transferência da fiscalização da produção e comercialização desses produtos para os órgãos de saúde pública dos estados. Anteriormente, os alimentos artesanais com origem animal só podiam ser vendidos fora do estado em que foram produzidos se tivessem o selo do Serviço de Inspeção Federal.

“O selo ajudará em muito na divulgação dos produtos petropolitanos que se enquadram nessa regra, possibilitando ainda que os empresários participem de feiras. As discussões sobre a lei continuam porque no texto original ainda não está claro a definição de produto artesanal de origem animal, a forma e nem qual órgão ficaria responsável diretamente pela fiscalização. Ainda assim, a lei já representa um avanço”, explica José Maurício Soares, diretor do Departamento de Agricultura.

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico acompanhará o trabalho do grupo criado – pela Câmara Setorial de Agronegócios da Alerj - e que atuará em duas frentes: a primeira, na definição do que é o produto artesanal, e a segunda para pensar formas de inovar nos processos e avançar na produção de produtos de maior valor agregado que ajudem a aumentar a renda do produtor rural, fixando-o no campo.

Com uma programação extensa e cheia de novidades, a quarta edição do Festival Agroserra da Roça ao Prato acontece no próximo feriado, do dia 12 ao 14, e, pela segunda vez, no Palácio de Cristal. O evento que surgiu com a finalidade de valorizar os pequenos empreendedores na região de Secretário e Sebollas este ano trouxe um novo desafio: descobrir novos microempreendedores da região de Petrópolis por meio do projeto Talentos da Roça. O festival conta com o apoio da Prefeitura por meio da Turispetro.

São mais de 50 expositores nos jardins e no interior do Palácio de Cristal, onde o público vai conferir uma variedade de cervejas e cachaças artesanais, queijos diversos, doces e compotas, legumes e hortaliças orgânicas, artesanato em geral, além da alta gastronomia com opções vegetarianas e veganas, contando ainda com oficinas e workshops. A criançada também terá uma programação especial para comemorar o dia 12. Serão diversas atividades e oficinas o dia inteiro exclusivo para os pequenos.

“A AgroSerra é um evento de produtos de Petrópolis que já se tornou uma referência em secretário e agora vem para cidade. A programação especial no Palácio de Cristal vai atrair ainda mais visitantes já que o local é um ponto turístico muito visitado. Vale a pena prestigiar o evento que tem uma programação eclética e conhecer e comprar os produtos produzidos em Petrópolis, movimentando a economia do setor”, destacou o secretário de Desenvolvimento Econômico Marcelo Fiorini.

A iniciativa faz parte de mais uma ação para fomentar o turismo em Petrópolis, com a finalidade de destacar e valorizar o produtor local através da união do poder público e da iniciativa privada.

“O Agroserra acontece em um dos nossos cartões postais, com uma proposta diferenciada, onde possibilita aos visitantes uma experiência de degustação dos melhores produtos da região. Estamos impulsionando as programações do município buscando parcerias com a iniciativa privada”, pontua secretário da TurisPetro, Marcelo Valente.

O Agroserra Imperial começa na sexta-feira (12.10) às 10h e a última atração conta com o show da finalista do The VoiceKids, Valentina Francisco, está marcada para às 20h30. No sábado (13.10) o evento acontece de 10h às 23h e no domingo (14.10) de 10h às 19h.

“Nós acreditamos que o Agroserra não é apenas um festival e sim um grande movimento. Temos o interesse de contribuir de forma sócio cultural, contribuir para o desenvolvimento do empreendedor, focado sempre na educação.  Esta edição o Agroserra conta com o apoio de três secretarias de Turismo, Educação e Agricultura, frentes importantes que unidas nos ajudam a realizar o movimento Agroserra”, contou a organizadora do Festival Janice Caetano.

PROGRAMAÇÃO:

12.10 - Sexta-feira (Especial Dia das Crianças):

10h30 – Workshop "Como ser criança, vegana e feliz" pela mini-chef Maria Hang
12H – Apresentação Musical com a Camerata do Projeto Ação Social pela Música do Brasil
13h30 – AgroChefKids: nosso tradicional projeto de cozinha colaborativa agora com mini chefs 
15h30 – Oficina de produção de iogurte probiótico para crianças com a nutricionista Noadia Lobão
17h – Apresentação Musical com a Escola de Samba Unidos de Vila Isabel, apresentando o samba enredo de 2019, que homenageará a cidade de Petrópolis: “Em nome do Pai, do Filho e dos Santos. A Vila canta a Cidade de Pedro” 
20h30 – Apresentação Musical com Valentina Francisco, finalista da 2° temporada do The VoiceKids

13.10 - Sábado

10h – Oficina de graffiti com Rodrigo CB e pintura para as crianças com Débora Farias
14h – Workshop “Plantas Incríveis, Alimento Livre” (PANCs)”, com a chef Ana Ribeiro
18h – Apresentação Musical com Guido Martini Trio
20h30 – Apresentação Musical com Os Improváveis

14.10 - Domingo

10h30 – Oficina de horta urbana com Mudas Katsumoto
12H – Apresentação Musical com a Camerata do Projeto Ação Social pela Música do Brasil
14h – Workshop de produção de massas artesanais com a Arteculinarista Adriana Marchese
16h – Apresentação do espetáculo teatral infantil “O Circo de Serafim”, por Grupo de Teatro Circense Andança
17h – Apresentação Musical com Daniel Monnerat

Lei nº 8118 foi publicada no Diário Oficial do Estado de 25 de setembro de 2018

Com mais de 100 produtores orgânicos em várias partes da cidade, Petrópolis conquistou o título de "Capital Estadual dos Produtos Orgânicos". A característica principal desse tipo de produção é a ausência agrotóxicos, por isso, os alimentos orgânicos são os mais procurados por aqueles que buscam uma alimentação mais saudável. Com o título, os produtos orgânicos de Petrópolis passarão a ter um selo próprio.

Esse é mais um título importante conquistado por Petrópolis. A cidade já está trabalhando na construção de uma feira especial, só com produtos orgânicos, será o Circuito Imperial Orgânico e Agroecológico que disponibilizará esse tipo de produtos para compra com maior periodicidade na cidade.

“A referência na produção de orgânicos auxiliará no aumento das vendas nesse setor e servirá de estímulo para que outros agricultores também passem a produzir dessa forma. O mercado dos orgânicos está em constante crescimento e o poder público estuda outras formas de estímulo para o crescimento da produção. Um dos pontos que está em análise é inclusão de produtos orgânicos no cardápio da merenda escolar”, afirma o secretário de Desenvolvimento Econômico, Marcelo Fiorini.

Sandra Regina Oliveira produz orgânicos há 14 anos no Sitio Tapera, no Brejal. A paixão pelo cultivo é antiga: Sandra cresceu vendo a família se dedicar ao cultivo. “Minha mãe fazia questão de plantar sem o uso de agrotóxico. Eu a ajudei muito na lavoura, depois fui trabalhar em um sítio onde só se plantava produtos orgânicos e minha paixão só aumentou. Decidi, há 14 anos, investir somente nesse tipo de produção e sou muito feliz com que eu faço”.

Couve, brócolis e couve-flor são alguns dos alimentos produzidos totalmente sem agrotóxico no sítio de Sandra. “Vale muito a pena ser fiel ao orgânico. Tenho meus clientes fieis no Horto, em Itaipava e também vendo no Rio de Janeiro aos sábados. A rotina não é fácil, mas, a saúde vem em primeiro lugar e os orgânicos me ajudam nisso também. Agora já penso em aumentar a produção e estamos nos preparando para plantar tomate e morango totalmente orgânicos”, completou.

Para Sandra, o título pode ajudar a melhorar as vendas. “É um reconhecimento e chama a atenção das pessoas para a saúde. Investindo no orgânico, se gasta menos na farmácia”, explicou.

Objetivo é promover a cidadania e sustentabilidade no ambiente escolar

Iniciativa dos Clubes Rotary Petropolis Bingen, Rotary Itaipava e Projeto Água, em parceria com a Prefeitura

As escolas municipais Liceu Municipal Carlos Chagas, Amélia Antunes Rabello e Johann Noel serão as primeiras a receber o projeto “Aquaponia” que consiste na produção de peixes – em tanques – associada à produção de hortaliças. A iniciativa, dos Clubes Rotary Petrópolis Bingen, Itaipava e do Projeto Água, em parceria com a Prefeitura, têm como objetivo promover a educação ambiental e incentivar a sustentabilidade entre os alunos através de oficinas, workshops e o acompanhamento da produção dos peixes e hortaliças nas escolas.

O projeto, chamado “Aquaponia: Cidadania e Sustentabilidade no ambiente escolar” foi lançado na terça-feira (18.08) na Casa da Educação Visconde de Mauá. Ainda nesse ano começará a instalação nas três escolas do sistema que reutilização de águas pluviais. O projeto receberá recurso de R$ 500 mil proveniente do Fundo Socioambiental da Caixa Econômica Federal. A intenção é de que, no próximo ano, o projeto seja implantado em outras cinco escolas: São João Batista, Dr. Barros Franco, Augusto Pugnaloni, Professora Maria Campos e Santa Maria Goretti.

“Agradecemos ao município pela parceria. A sociedade civil está cada vez mais engajada em auxiliar o desenvolvimento de políticas públicas e ações em prol da comunidade e esse é um dos nossos objetivos. Esse é só o começo. Temos a intenção de estabelecer cada vez mais parcerias que possam contribuir para a formação dos alunos”, explicou o presidente do Rotary Petrópolis Bingen, Byron Mendes.

Nas escolas serão implantados tanques para a produção de peixes e hortaliças. A água de drenagem do cultivo dos peixes, que é rica em matéria orgânica e geralmente descartada na natureza, será reaproveitada no sistema de aquaponia, servindo de solução para o cultivo hidropônico de hortaliças.

“A água rica em matéria orgânica que sai do tanque dos peixes, passa pelo canal hidropônico e os nutrientes contidos na água acabam funcionando como fortalecedores para o metabolismo/crescimento das hortaliças. Como contrapartida, a água sai do tanque da hidropônica limpa e retorna em boas condições aos peixes. Um sistema de captação de energia solar será o responsável pelo funcionamento da bomba. O peixe que será cultivado é a tilápia”, disse a presidente do Rotary Petrópolis Itaipava, Sueli Karl.

O projeto implantará todo o sistema e fornecerá uma equipe multidisciplinar – com pedagogos, educadores ambientais e biólogos – que serão responsáveis pelas oficinas e workshops realizados com os alunos e servidores das escolas.

A preservação dos recursos hídricos é um dos motivadores do projeto. “No mundo, apenas 1% dos recursos hídricos estão disponíveis para o consumo e é necessário que a população preste atenção nisso”, disse a bióloga do projeto Água, Natália Papoula.

O diretor do Liceu Carlos Chagas, Marcos Souza Machado, afirmou que o projeto auxiliará nas ações multidisciplinares. “Os professores poderão usar todo o projeto como exemplo para atividades diferenciadas como matemática, ciências e biologia. Acredito que os alunos ficarão muito animados com a novidade”.

Também participaram do evento o coordenador de Planejamento e Gestão Estratégica, Dalmir Caetano, a responsável pelo Projeto Água, Silvia Firmeza, o representante da Caixa Econômica, Petrônio Garcia, o responsável pelo setor de educação ambiental da Secretaria de Meio Ambiente, Anderson Maverick e o governador do Rotary Clube, Henrique Sampaio.

Pagina 5 de 13