Segunda, 14 Janeiro 2019 - 18:02

Prefeitura regulariza uso do HAC como hospital-escola

Prefeitura regulariza uso do HAC como hospital-escola

Por meio de decreto,foi regularizado o relacionamento entre Hospital Alcides Carneiro e Faculdade de Medicina de Petrópolis, há mais de 8 anos sob questionamento judicial. Um convênio que está sendo firmado pelo município junto à Fundação Otacílio Gualberto, mantenedora da Faculdade, está regularizando o uso do HAC como Hospital Escola e irá resultar em uma contrapartida – imediata - de R$ 13 milhões em obras e intervenções para melhorias na infraestrutura da unidade de Saúde. O Hospital Alcides Carneiro presta mais de 600 mil atendimentos por ano - em 2018, foram 35% a mais de consultas, exames, cirurgias e internações.

As obras preveem a reforma das enfermarias de clínica cirúrgica feminina e clínicas médica feminina e masculina,  reforma da enfermaria de ginecologia, obra para ampliação da Unidade Pós-cirúrgica e de ampliação da urgência. O investimento ainda permitirá adaptação para criação de um novo hemocentro, conclusão da obra do telhado da UTI neonatal, instalação de elevador, reforma de telhados da farmácia e arquivo geral, reforma na cozinha, novo circuito de ar e máquina com filtros no centro cirúrgico, Sistema de Gestão Hospitalar e Sistema de Gestão de documentos.

O acordo põe fim a um questionamento que vinha sendo feito pelo Ministério Público Federal, em processo impetrado em 2010 na 2ª Vara Federal. O MP questionava a falta de contrapartida por parte da instituição de ensino, que mantém estudantes da Faculdade de Medicina de Petrópolis atuando no HAC. Com o Termo de Ajuste e Acerto de Contas (TAAC), a Faculdade irá mensalmente pagar pelo uso do HAC. O acordo prevê antecipação de investimentos, perfazendo R$ 13 milhões que serão empregados na reforma e ampliação do HAC.

Em média 150 estudantes do 1º ao 6º ano atuam dentro do HAC, o número, no entanto, pode chegar a 400 considerando o uso do pavilhão de ensino da unidade. A contrapartida da Faculdade de Medicina – ou de outras instituições que vierem a se conveniar com o hospital-escola – serão atreladas à quantidade de estudantes.

O decreto que dispõe sobre o Hospital Alcides Carneiro, na qualidade de Hospital de ensino foi publicado no Diário Oficial do município. O acordo prevê que a contrapartida anual seja feita com investimentos em obras de reforma ou construção, disponibilização de equipamentos e mobiliário médicos, prestação de serviço de educação continuada ou permanente para empregados do HAC, oferta de programas de residência médica, ou outros em saúde, contribuindo para o funcionamento da unidade. 

"As intervenções serão divididas em três ou quatro blocos. No primeiro deles, estão previstas obras, num total de aproximadamente R$ 2 milhões para melhorias na maternidade, CTI, Sala de Urgência, Casa de Partos (para apoio às gestantes e parturientes) e Centro Obstétrico. A expectativa é de que estas intervenções estejam concluídas até maio”, explica o diretor-presidente do HAC, Filipe Fortuna. O decreto estabelece que a fiscalização das obras ficam sob a responsabilidade do município ou do Serviço Social Autônomo Alcides Carneiro – SEHAC, entidade responsável pela administração do HAC. 

Reformas iniciadas e aumento de 35% no número de atendimentos

Com as intervenções realizadas no primeiro bloco de obras, o hospital vai contar com 20 leitos da maternidade e 10 na UTI adulta, além da ampliação da emergência, ampliação da unidade pós-cirúrgica, casa de partos e reforma de vários setores.

A prefeitura também iniciou, em outubro de 2018, a reforma do Setor de Urgência e Emergência. As obras são para adequar a unidade a uma metodologia reconhecida pelo Ministério da Saúde. O objetivo é criar um novo espaço para atendimentos mais rápidos de urgência e emergência, com fluxos mais dinâmicos.

Em 2018, o HAC apresentou um aumento de 35% no número de atendimentos. São 624 mil atendimentos contra 460 mil de 2017. O aumento leva em consideração a maior procura pela rede pública de saúde, que vem absorvendo a demanda de atendimentos gerada pelo esvaziamento dos planos privados nos últimos 3 anos. O município registra a migração de 44 mil pessoas para o sistema público de saúde, que ainda absorve 13 mil pessoas, de outras regiões, que buscam atendimento em Petrópolis. Para dar conta da demanda, o HAC trabalha não só na ampliação das estruturas, mas também na reorganização das equipes.

O HAC conta com uma equipe formada por 900 profissionais, dos quais 340 da rede médica, o Hospital Alcides Carneiro e estabeleceu novas formas de trabalho e consequentemente, novas metas. Em 2018, foram registradas 8.380 internações; 6.254 cirurgias e partos; e 57.811 atendimentos ambulatoriais. A equipe de atendimento no ambulatório passou por reestruturação e exames antes realizados apenas uma vez semana, agora são distribuídos por mais dias. Objetivo é ampliar o atendimento da unidade este ano.