1822


INÍCIO COM


A história da Petrópolis tem início em uma das viagens feitas
por Dom Pedro I. No ano de 1822, durante uma travessia pelo
tortuoso Caminho do Ouro, que ligava o Rio de Janeiro a Minas Gerais,
o imperador se hospedou na fazenda do Padre Correia.

1830



D. Pedro I comprou a Fazenda do Córrego Seco (Petrópolis) pela quantia de


20 contos de réis.
Dom Pedro Primeiro

1843



Júlio Frederico Koeler idealiza o plano urbanístico de Petrópolis, extremamente moderno e com preocupações preservacionistas e ecológicas pouco comuns à época.

1853



Abertura da Cervejaria Bohemia, considerada a mais antiga fábrica de cerveja do Brasil.

Brinde de Cervejas

1854



Inaugurada a primeira estrada de ferro do Brasil, em seu trecho inicial, ligando o Porto de Mauá a Fragoso, no Rio de Janeiro, num trecho de 14,5 km, por iniciativa do Barão de Mauá

1857



Petrópolis é elevada à

condição de cidade

1862



Lançada a pedra fundamental da Igreja Luterana.
O mais antigo templo religioso da cidade.

1883



Inaugurada a primitiva Capela de Nossa Senhora
do Rosário,
construída em parte
com doações coletadas por ex-escravos.

1884



Inaugurado o Palácio de Cristal

Palácio de Cristal

1889



Proclamação da República com o conseqüente
banimento da família Imperial.

1903



Período Republicano: assinado, na cidade,
o Tratado de Petrópolis, que incorporou o Acre
ao Brasil.

1918



Santos Dumont constrói sua casa
de veraneio em Petrópolis, “A Encantada”.

1928



Foi construída a primeira rodovia asfaltada do país, que ligava o Rio a Petrópolis e que recebeu o nome de Washington Luiz, uma homenagem ao presidente que teve essa importante iniciativa para a vida da cidade. 

1944



É inaugurado o Hotel Cassino Quitandinha, em Petrópolis (RJ), com um grande show para duas mil pessoas. No Brasil, era o tempo dos cassinos, dos shows e das vedetes.

Quitandinha

1981



A APANDE se mobilizou e sensibilizou o presidente João Figueiredo, conseguindo que fosse assinado o Decreto 80, impedindo demolições e construções que descaracterizavam o Centro Histórico.

E ele atribuiu à cidade o título de
CIDADE IMPERIAL.