Pela primeira vez em Petrópolis, o evento ExpoRadio recebeu mais de 500 pessoas neste fim de semana, no Vale do Cuiabá. A terceira edição do evento atraiu os maiores profissionais de radioamadores do país. A Rede de Operações de Emergência de Radioamadores (ROER) e a Secretaria de Defesa Civil e Ações Voluntárias estiveram presentes com panfletagem de conscientização de prevenção a desastres naturais, e também mostrando as ações em conjunto que já executaram no município.

As primeiras edições do evento aconteceram em ambientes fechados como centro de convenções com palestras. Em Itaipava, o encontro aconteceu a céu aberto, de forma descontraída, com vários expositores e com trocas de equipamentos e de experiências.  

“A Exporadio não é um evento de uma associação. Criamos a feira com objetivo de reunir todas as associações e também o público que gosta de radioamadorismo. Como a feira é aberta, atraímos também aqueles que querem conhecer, que tem alguma curiosidade sobre. Queremos fomentar o mercado”, contou o organizador do evento, Carlos Guingle.

O coordenador da ROER, Marcelo Freire contou um pouco sobre a participação da equipe no evento. “Precisamos explorar mais com divulgações. Queremos fazer um encontro todo ano, igual acontece em outras cidades. É muito importante estar aqui na feira mostrando junto o apoio a Defesa Civil como funciona o trabalho do radioamadorismo”, disse Marcelo.

“Essa atuação com a ROER é importante para todo o município. A comunicação é a peça chave quando acontece uma ação de grande proporção. Quanto mais rápido os órgãos são acionados, mais eficácia tem no atendimento, com resultado positivo”, pontuou o Secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias, coronel Paulo Renato Vaz.

O grupo da ROER atua quando todos as formas de comunicação ficam inativas, como nas chuvas de 2011, no Vale do Cuiabá. O município possui hoje 41 pessoas preparadas para exercer a atividade. A rede funciona na sede da Defesa Civil.

“Meu marido é radioamador e eu sempre o acompanho nos eventos. Sei a importância do trabalho, inclusive do auxílio do radioamador aqui em Petrópolis, em 2011. É a primeira vez que venho para Petrópolis e estou achando o máximo. É muito emocionante estar em um local, onde reconhece o trabalho do radioamador”, relatou Larissa Mendes, que veio de Vinhedos em São Paulo especialmente para a ExpoRadio.

Gastos com serviço de abordagem já é o dobro comparado com o de 2017

A Operação Inverno, feita pela Secretaria de Assistência Social em parceria com a Secretaria de Defesa Civil e Ações Voluntárias, realizou 1.178 encaminhamentos de pessoas em situação de rua para acolhimento. O trabalho em conjunto permitiu a instalação de três barracas, que possibilitou, desde o dia 11 de junho, o pernoite de mais pessoas no Núcleo de Inclusão Social (NIS). A Operação terminou no último dia 31.

“Esta foi mais uma ação conjunta, que já tinha dado muito certo no ano passado e conseguimos repetir neste ano. Foi uma parceria que possibilitou o atendimento de dezenas de pessoas todos os dias. Enfrentamos dias de muito frio nestes últimos dois meses e intensificamos o trabalho que já é feito pela Assistência ao longo de todo o ano, realizando abordagens à noite,dando este apoio a quem precisa. Infelizmente, nem todos aceitam ir ao acolhimento”, destacou a secretária de Assistência Social, Denise Quintella.

Para ampliar o atendimento a estas pessoas, foram instaladas três barracas cedidas pela Defesa Civil, que, juntas, permitiram o acolhimento de até mais 18 pessoas no espaço do Núcleo. A Assistência intensificou, também, a abordagem das equipes à noite, quando o frio é mais intenso. Dos 1.178 encaminhamentos, 808 compareceram no NIS para o pernoite neste período.

“A Assistência Social segue fazendo de forma constante a abordagem à população em situação de rua, em diferentes pontos da cidade. Este trabalho é realizado por equipes, geralmente um educador e um técnico, todos os dias da semana, em horários diversos. A equipe oferece apoio para quem aceita ir para o Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua (Centro Pop) ou para pernoite no Núcleo de Integração Social (NIS)”, completou a secretária.

No Centro Pop, os usuários podem tomar banho, se alimentar e passar o dia. De acordo com a situação de cada pessoa, ela pode ser encaminhada para o Núcleo de Integração Social (NIS) onde passa por todo um processo de ressocialização, recebendo tratamento médico e psicossocial. “O objetivo da Assistência Social é dar a oportunidade para que possam conseguir um emprego ou retornar para as suas cidades de origem”, completou a Denise.

Petrópolis tem, segundo a Secretaria de Assistência Social, cerca de 130 moradores em situação de rua, um crescimento de 30% em comparação com o início do ano.“Cerca de 90% são homens. Todos que se dirigem ao Centro POP recebem atendimento sem agendamento. O trabalho realizado visa a reinserção dos usuários às famílias e, quando não é possível, o objetivo é desenvolver sua autonomia. Ainda há muita resistência por parte dos moradores em aceitar ir para o abrigo, mas nossa intenção é atender todos os que necessitarem e quiserem o apoio”, reforçou a diretora do Departamento de Proteção Social Especial da Secretaria de Assistência Social, Katia dos Prazeres.

Orçamento com serviço de abordagem é o dobro do ano passado

A Secretaria de Assistência Social já prevê gastar, neste ano, o dobro de recursos para o atendimento a moradores em situação de rua no município. De janeiro a junho deste ano, foram utilizados mais de R$ 213 mil nos serviços que compreendem a Abordagem de Rua e o Centro POP. A estimativa é que o total do ano de 2018 seja equivalente a quase R$ 459 mil reais para este fim, quase o dobro de todo o ano de 2017, quando foram usados R$ 213 mil.

“Reafirmamos nosso compromisso no atendimento aos moradores em situação de rua, onde temos todas as equipes de serviços completas. Os nossos usuários contam com alimentação balanceada, produtos de vestuário e higiene pessoal, atividades complementares, como aulas de capoeira, além de estrutura necessária para garantir o pleno acesso a todos os serviços públicos disponíveis no município”, frisou a secretária de Assistência Social, lembrando das oficinas realizadas no NIS e da parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, que apoia o trabalho de plantação de mudas e comercialização por parte dos moradores.

Em 2016, parcelas referentes a recursos federais de agosto e setembro que não tiveram o protocolo atendido pelo governo passado junto à União, deixaram de ser repassadas. Foram R$ 250 mil que deixaram de entrar nas contas da Assistência Social.

Universitários devem procurar a direção dos seus cursos para se cadastrarem no estágio

Estudantes de engenharia e de arquitetura da Universidade Estádio de Sá e da Universidade Católica de Petrópolis já podem se inscrever no SOS Chuvas, programa da prefeitura que busca impedir o avanço das ocupações e construções irregulares na cidade, com objetivo de reduzir os prejuízos causados pelas chuvas de verão. Os alunos interessados devem procurar a direção dos seus respectivos cursos para se cadastrarem no estágio. O número de vagas será definido pelas coordenações das instituições de ensino, que encaminharão para as secretarias de Defesa Civil e Ações Voluntárias, Meio Ambiente e Obras, os universitários que se candidatarem.

As ações do SOS Chuvas são direcionadas para os trabalhos de articulação e mobilização comunitária, com a distribuição de panfletos informativos e de orientação; fiscalização e controle da ocupação desordenada e fiscalização de proteção ambiental. Cada setor da prefeitura vai utilizar os universitários dentro da sua atribuição, sempre acompanhado de um responsável técnico. O secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias, coronel Paulo Renato Vaz, ressaltou a importância de criar uma cultura preventiva aos desastres de origem natural em Petrópolis.

“Em campo, os estagiários vão além da sala de aula e terão experiências profissionais inesquecíveis, que jamais teriam apenas dentro da universidade. Além disso, poderão exercer a solidariedade, tendo o privilégio de trabalhar por quem mais precisa na cidade onde vivem e estudam. É uma oportunidade única, de desenvolvimento acadêmico e como ser humano”, disse o secretário de Defesa Civil, explicando também que os estudantes irão trabalhar nas ações de prevenção aos desastres de origem natural da pasta.

Já os estagiários da Secretaria de Obras vão trabalhar no disque-denúncia do Núcleo de Fiscalização de Obras Particulares (NUFIC). Os estagiários vão receber as informações sobre novas construções irregulares e auxiliarão os fiscais da Secretaria nas incursões comunitárias de fiscalização e de licenciamento. A população pode denunciar no telefone: 2233-8183. Na Secretaria de Meio Ambiente, os estudantes irão reforçar o efetivo do setor de proteção ambiental do município.

O programa SOS Chuvas foi criado no ano passado, com o objetivo do trabalho integrado entre as secretarias com o objetivo de impedir o avanço das ocupações e construções irregulares na cidade, e reduzir os danos humanos, materiais e ambientais, além dos prejuízos socioeconômicos causados pelas chuvas de verão.

 "O foco do programa é a não expansão das áreas de risco no município. Os estagiários trabalham justamente com a fiscalização, mobilização e conscientização comunitária”, completa o Secretário de Defesa Civil.

Contas chegaram aos consumidores com lembretes sobre prevenção

As concessionárias de serviços públicos – Enel, Águas do Imperador e CEG – também estão apoiando a campanha “Xô Mosquito”. Nos meses de fevereiro, março e abril, as contas de cada uma delas terão uma mensagem de apoio ao combate ao mosquito Aedes aegypti. Lançada no dia 6 de fevereiro pelo prefeito Bernardo Rossi, a campanha que envolve as secretarias de Educação, Saúde e Defesa Civil no combate ao vetor transmissor da dengue, zika e chikungunya, já vistoriou mais de cinco mil imóveis, com a identificação de 258 possíveis focos. 

“É importante a Defesa Civil estar ao lado da iniciativa privada, dentro da nova proposta de integração e de foco na prevenção de desastres do governo de Petrópolis”, disse o secretário de Defesa Civil, Coronel Paulo Renato Vaz. 

“A campanha está sendo muito divulgada e falada na cidade. Vamos continuar somando forças no combate ao mosquito Aedes aegypti até o final do verão”, completou. 

Para fechar a semana, nesta sexta-feira, dia 17, às equipes integradas da Saúde, Defesa Civil e Educação vão estar nos CEIs Vila São José, no Centro, A Sementeira, no Bingen, Sagrada Família, na Castelânea e Oswaldo Cruz, no Quarteirão Ingelheim. 

O site da Prefeitura de Petrópolis também destaca a campanha “Xô Mosquito” que envolve as secretarias de Educação, Saúde e Defesa Civil no combate ao Aedes aegypti São dicas de proteção e explicação sobre as diferenças dos sintomas da dengue, zika e chikungunya, além de oferecer um espaço para as gestantes, com o esclarecimento de dúvidas sobre a microcefalia. O site pode ser acessado a partir da capa no domínio eletrônico da prefeitura e pode ser reproduzido por empresas, instituições, escolas e entidades que queiram usar o material como alerta preventivo. O endereço eletrônico é: www.petropolis.rj.gov.br. 

Até o momento, desde o início do ano, as equipes da vigilância sanitária já visitaram mais de 17 mil imóveis. A campanha “Xô Mosquito” também conta com o apoio da Cruz Vermelha, que doou 200 repelentes que estão sendo distribuídos durante as visitas, e do 32º Batalhão do Exército, que está atuando nas escolas municipais, estaduais e particulares todas as sextas-feiras. 

O curso da Rede de Operações de Emergência de Radioamadores busca o aperfeiçoamento da classe

A Rede de Operações de Emergência (ROER) está oferecendo aulas gratuitas de código morse para o aperfeiçoamento dos radioamadores às terças e quintas-feiras na Sala de Cooperação da Secretaria de Defesa Civil e Ações Voluntárias. O sistema de comunicação que usa pontos e traços para enviar mensagens em código vai aprimorar o trabalho dos profissionais, já que o método de atuação é menos sensível às condições climáticas. Além disso, outros benefício é que o método pode ser decodificado sem a necessidade de um equipamento especial. A cidade conta com 41 pessoas habilitadas para a função, que atuam no momento em que todas as outras formas de comunicação param de funcionar.

“É fundamental que a gente esteja sempre aprimorando o atendimento para a população. Quanto mais rápido os órgãos sejam acionados, melhor para os petropolitanos em caso de ocorrência. O código morse é diferenciado por não ser necessário um equipamento próprio para entender as mensagens”, explica Fábio Hoelz, Coordenador de Educação da ROER.

A ideia da ROER é preparar os profissionais do município para grandes ocorrências, trabalhando de maneira antecipada e organizada. Em abril deste ano, 23 novos profissionais foram regulamentadas pela Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL) para realizar a atividade na cidade e outras 28 pessoas aguardam a definição de uma data pela ANATEL para também estarem aptas a função.

“Estamos no aguardo da definição do dia da prova pela Agência. Nossa ideia é que mais pessoas estejam preparadas caso seja necessário no momento de uma grande ocorrência", disse Fábio, reconhecendo a importância da parceria com a Defesa Civil desde o início do ano passado.

A atuação em conjunto dos radioamadores com a Secretaria de Defesa Civil e Ações Voluntárias é prevista na lei que institui a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil (PNPDEC). O grupo é parte dos planos de contingência do município, participando ativamente das ações da Defesa Civil com o suporte em treinamentos e simulados. Além disso, o grupo ajudou a reativar o sistema integrado de comunicação da prefeitura, que funciona através de rádios transmissores e atende os setores de resposta do município.

"O trabalho integrado com os radioamadores é fundamental para a Defesa Civil no momento em que acontece uma grande tragédia. Desde o início da nossa gestão, o grupo participou de um treinamento simulado com a gente e ganhou uma sala dentro da Defesa Civil.  A comunicação é peça chave para uma resposta mais eficaz”, afirma o secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias, coronel Paulo Renato Vaz.

Maior evento de radioamadores do país acontece em Petrópolis

A 3ª edição da ExpoRadio, considerado o maior encontro de radioamadores do Brasil, será realizada no Vale do Cuiabá nos dias 28 e 29 de julho. O evento reúne profissionais de todo o país, Uruguai, Argentina, Chile, além de agentes de órgãos de atendimento em situações de emergência e socorro. A Rede de Operações de Emergência de Radioamadores de Petrópolis (ROER) e a Secretaria de Defesa Civil e Ações Voluntárias participam desta edição apresentando as ações em conjunto realizadas na cidade. Os organizadores estimam a participação de mais de 400 pessoas.

Ação do Plano Inverno foi organizada pela Secretaria de Defesa Civil e Ações Voluntárias em parceria com a Polícia Militar

Equipes distribuíram cerca de 1.500 cartilhas de prevenção aos incêndios florestais

A Secretaria de Defesa Civil e Ações Voluntárias e a Polícia Militar realizaram nesta quarta-feira (12.09) a terceira etapa da Blitz Verde, iniciativa que tem como objetivo conscientizar motoristas e pedestres sobre os problemas causados pelos incêndios florestais. A ação distribuiu cerca de 1.500 cartilhas de prevenção a queimadas em Corrêas, local em que foi registrada uma ocorrência deste tipo no último final de semana, que consumiu o equivalente a um campo de futebol na Rua Vigário Corrêa. A entrega do material faz parte do Plano Inverno de Petrópolis 2018, que busca enfrentar as ameaças da estação com ações em dois eixos: operacional e humanitário.

Desde janeiro, são mais de 50 incêndios florestais registrados pelo Corpo de Bombeiros em regiões como Araras, Secretario, Itaipava, Nogueira e Posse. Após o início do período de estiagem, em julho, são mais de 180 hectares destruídos pelo fogo. A ideia dos órgãos é envolver a população para reduzir o número de casos na cidade. Por conta disso, além dos motoristas e pedestres, as cartilhas também são entregues no comércio próximo a ação. O trabalho de conscientização já foi realizado no Centro e em Itaipava, e será realizado em outros bairros da cidade.

Fazer queimadas, mesmo em áreas rurais, é crime previsto em lei e pode levar a detenção de seis meses a um ano, além da aplicação de multa. Outro ponto importante da ação é a orientação sobre os problemas causados pela soltura de balões, que causam danos ao meio ambiente e à saúde. A presença da Policia Militar, neste aspecto, é fundamental para o sucesso na entrega das cartilhas.

"Estamos enfrentando um período de estiagem, que favorece o surgimento e a propagação dos incêndios florestais, que vai permanecer até meados de novembro. A presença da polícia reforça que a prática é crime, assim como a soltura de balões, que causam danos ao meio ambiente e à saúde da população. Não podemos perder o foco com essa questão e precisamos da ajuda da população como nossa grande aliada contra as queimadas”, explica o secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias, coronel Paulo Renato Vaz, que acompanhou de perto a entrega das cartilhas em Corrêas.

Além da entrega das cartilhas de prevenção a incêndios florestais, 35 alunos da Escola Municipalizada Hercília Henriques Moretti puderam conhecer os equipamentos de combate ao fogo em vegetação, como bombas costais e foices, que ficaram expostos ao longo do dia para visitantes na frente de uma barraca montada pela Defesa Civil municipal na Praça de Corrêas.

“É importante que os alunos conheçam os riscos da nossa cidade. Os incêndios florestais são uma grande preocupação, destruindo o meio ambiente e levando riscos até para quem mora próximo a uma área verde. Os alunos puderam ver de perto os equipamentos e aprenderam mais sobre prevenção”, disse a diretora da unidade, Zoraia Hang.

Morador do Bairro da Glória, o vendedor Ânderson Pereira da Silva, deixou a filha na escola antes de ir trabalhar e recebeu a cartilha da Defesa Civil. Ele elogiou a proposta e disse que próximo à casa dele acontecem queimadas. “Eu fico assustado, principalmente por ter criança em casa. Infelizmente tem gente que não entende os riscos que o fogo causa. Espero que a população aprenda um pouco com a ajuda da PM e da Defesa Civil”, comentou.

Outra ferramenta importante na prevenção a incêndios florestais é o drone, que foi utilizado pela Defesa Civil em parceria com órgãos ambientais no mapeamento e monitoramento de áreas de preservação. Mesmo após o término deste trabalho, o equipamento permanece disponível para os órgãos ambientais e para o Corpo de Bombeiros em caso de queimadas.

“Seguimos à disposição, não apenas com o drone, mas também com a nossa brigada de combate aos incêndios florestais. O trabalho antecipado e organizado busca reduzir o número de ocorrências deste tipo na cidade. Esperamos conseguir bons resultados com as ações em conjunto”, explica Paulo Renato.

O trabalho preventivo da Defesa Civil também estabelece ações de resposta para agilizar o atendimento às ocorrências e minimizar os efeitos das queimadas. O Plano Inverno de Petrópolis 2018, com suas respectivas matrizes de atividades e responsabilidades, está disponível para download no site da prefeitura (www.petropolis.rj.gov.br).

Domingo, 08 Fevereiro 2015 - 12:41

Boletim da Defesa Civil (12h)

A Secretaria de Proteção e Defesa Civil informa que a pancada de chuva localizada na região de Pedro do Rio na noite deste sábado (7/2) não gerou ocorrências graves. Não houve vítimas ou feridos. A Defesa Civil opera em estágio de atenção.

Na Estrada União Indústria, houve escorregamento de lama das encostas, interditando a via e alagando cerca de dez casas da região. A Defesa Civil enviou prontamente equipe ao local e acionou o Plano de Contingência de Petrópolis, mobilizando outros órgãos envolvidos na resposta às chuvas, para devolver a normalidade à região com rapidez. Nenhum imóvel precisou ser interditado. Já na noite de sábado, o trânsito foi liberado. Na manhã deste domingo, técnicos da Secretaria foram à região realizar novas vistorias e constataram que, ao menos por enquanto, não é necessária a interdição de imóveis.

O prefeito Rubens Bomtempo está no local nesta manhã (8/2). Ele já solicitou reforço de máquinas do estado e da iniciativa privada. O secretário de Proteção e Defesa Civil, Rafael Simão, irá acompanhar e gerenciar esse reforço nos trabalhos.

A Comdep está no local desde a noite de sábado, com cinco máquinas, 12 caminhões, três caminhões pipa e 73 funcionários para a limpeza da via. Já foram removidos 26 caminhões de lama, com previsão de mais 45 até o fim do dia. A limpeza do local deverá ser concluída em dois dias.

Equipe da Secretaria de Trabalho, Assistência Social e Cidadania (Setrac) também foi ao local na noite de sábado, atendendo os moradores das casas atingidas por lama e avaliando as necessidades especiais de crianças, idosos e gestantes. A Setrac está fornecendo alimentos, kit higiene e material de limpeza. Neste domingo, equipe da Secretaria está avaliando as perdas materiais dos moradores.

Campanha distribuiu cerca de 5 mil cartilhas de orientação contra as queimadas em quatro locais

A Secretaria de Defesa Civil e Ações Voluntárias e a Polícia Militar (PM) realizaram na tarde desta quinta-feira (20.09) a última etapa da Blitz Verde, campanha que tem como objetivo conscientizar motoristas e pedestres sobre os problemas causados pelos incêndios florestais. Agentes e militares distribuíram cerca de 1.200 cartilhas de prevenção aos casos em Cascatinha, na altura do posto da PM, região próxima de onde aconteceu uma ocorrência de fogo em vegetação no dia 8 desse mês, que consumiu o equivalente a um campo de futebol na Rua Humberto Rovigatti.

A entrega do material faz parte do conjunto de atividades do Plano Inverno de Petrópolis 2018, que busca enfrentar as ameaças da estação. Neste trabalho integrado, os órgãos entregaram quase cinco mil cartilhas, com ações em conjunto no Centro, Itaipava, Corrêas e Cascatinha. A ideia é envolver e conscientizar a população para reduzir o número de casos na cidade. Após o início do período de estiagem, em julho, são mais de 180 hectares destruídos pelo fogo.

“Precisamos da ajuda da população como nossa maior aliada contra os incêndios florestais. A orientação é uma ferramenta importante na redução do número de casos”, garante o secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias, coronel Paulo Renato Vaz, lembrando ainda que o inverno termina no sábado, dia 22 de setembro.

“Mesmo com a mudança da estação, é importante que a população se mantenha atenta e denuncie os casos na cidade. Precisamos estar atentos para prevenir e cuidar das áreas verdes existentes no município. Quanto mais pessoas conscientizadas sobre o assunto, melhor”, disse o secretário.

Fazer queimadas, mesmo que seja em áreas rurais, é crime previsto em lei, assim como a soltura de balões. Nos dois casos, pode levar a detenção de seis meses a um ano, além da aplicação de multa. A presença da Policia Militar, neste aspecto, é fundamental para o sucesso na entrega das cartilhas, orientando sobre as punições para quem for pego em flagrante.

Silvania da Silva, capitã do 26° Batalhão de Policia Militar (BPM), lembra que os militares já realizam trabalhos de prevenção, com foco na redução do risco de desastres de origem natural. Nesta ação, em conjunto com a Defesa Civil, é importante deixar claro para a população que práticas como as queimadas e a soltura de balões são crimes.

"É importante que a população entenda que as práticas são crime e que podem denunciar para a Polícia Militar através do 190. Dessa maneira, acreditamos que podemos diminuir o número de ocorrências dentro do município", explica.

Outra ferramenta importante na prevenção a incêndios florestais é o drone, utilizado pela Defesa Civil em parceria com órgãos ambientais no mapeamento e monitoramento de áreas de preservação. Mesmo após o término deste trabalho, o equipamento permanece disponível para os brigadistas e também para o Corpo de Bombeiros em caso de queimadas.

“Seguimos à disposição, não apenas com o drone, mas também com a nossa brigada de combate aos incêndios florestais. Esperamos conseguir bons resultados com todas as ações em conjunto realizadas neste período”, explica Paulo Renato.

O trabalho preventivo da Defesa Civil também estabelece ações de resposta para agilizar o atendimento às ocorrências e minimizar os efeitos das queimadas. O Plano Inverno de Petrópolis 2018, com suas respectivas matrizes de atividades e responsabilidades, está disponível para download no site da prefeitura (www.petropolis.rj.gov.br).

Objetivo foi orientar os professores a como trabalhar os temas Proteção e Defesa Civil e Meio Ambiente nas salas de aula

A capacitação dos profissionais de ensino que participam do Defesa Civil nas Escolas reuniu 105 pessoas nesta segunda-feira (24.09) na Câmara Municipal.  Representantes das Secretarias de Defesa Civil, Educação e de Meio Ambiente, ministraram o treinamento que tem o objetivo de preparar os elementos focais de cada instituição participante para trabalhar na primeira política pública de inserção dos temas Proteção e Defesa Civil e Educação Ambiental nas salas de aula. A proposta é que os alunos desenvolvam trabalhos práticos ao longo do semestre, como concursos de desenhos ou a elaboração de maquetes, de acordo com as ameaças de desastres características de cada estação.

Lançado na semana passada, o Defesa Civil nas Escolas oferece a oportunidade dos estudantes desenvolverem a cultura de prevenção aos desastres de origem natural e de percepção de riscos. A abertura da capacitação contou com a presença do secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias, coronel Paulo Renato Vaz, e da secretária de Educação, Samea Ázara.  A iniciativa vai reforçar as ações do município na prevenção aos desastres de origem natural, não apenas no ambiente escolar, mas também nas comunidades.

"É importante o empoderamento das pessoas para a redução do risco de desastres. Os profissionais de ensino são nossos multiplicadores, levando o conhecimento necessário de prevenção de desastres às crianças e adolescentes em sala de aula. Esse é um projeto a longo prazo, que vai garantir um futuro mais resiliente para Petrópolis", disse o secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias.

"O conhecimento sempre agrega valor. Toda e qualquer informação sobre a prevenção deve ter toda a atenção de toda a comunidade escolar. Além dos nossos alunos, também é importante que os profissionais de ensinam tenham a base necessária para realizar os trabalhos com as turmas. É importante que os nossos jovens criem essa cultura e entendam a importância de cuidarem do meio ambiente”, afirmou Samea.

A representante do Ceja Petrópolis, Lucineli Gomes, elogiou a proposta da prefeitura e destacou a importância do projeto para o futuro da cidade. A medida tem como foco prevenir os desastres de origem natural, além de investir na orientação dos moradores nas comunidades, começando pelas crianças e adolescentes.

"Sabemos os riscos das nossa cidade e é importante que a gente converse sobre isso em sala de aula, reforçando a importância de cuidarem do meio ambiente, aprendendo sobre quais medidas podem adotar de forma preventiva para que evitem ocorrências, como deslizamentos e inundações. A ideia é excelente e vai trazer um futuro melhor para a nossa cidade”, garantiu Lucineli.

A elaboração da lei contou com o apoio do Conselho Municipal de Educação (COMED), do Sindicato dos Profissionais de Ensino (SEPE). O trabalho integrado que está sendo desenvolvido em conjunto, entre as secretarias de Educação, Meio Ambiente e Defesa Civil.

Além do trabalho nas escolas e nas comunidades, o município segue com outras ações antecipadas, pensando no período de fortes chuvas que se aproxima. Por conta disso, começam em setembro as reuniões setoriais que definem as matrizes de atividades e responsabilidades e os planos de contingência que fazem parte do Plano Verão 2019 de Petrópolis.

 “Ganhamos o reconhecimento da Organização das Nações Unidas e do Tribunal de Contas do Estado por causa das nossas ações de prevenção aos desastres de origem natural. São indicativos de que estamos no caminho certo na busca por uma cidade mais resiliente”, completou o secretário de Defesa Civil.

Objetivo é preparar as pessoas envolvidas no trabalho que vai atender a toda rede municipal de ensino

A capacitação dos profissionais de ensino que participam do Defesa Civil nas Escolas acontece na próxima segunda-feira (24.09) na Câmara Municipal. São 103 pessoas envolvidas na inserção dos temas Proteção e Defesa Civil e Educação Ambiental em toda rede municipal de ensino. Colégios estaduais e particulares também estão convidados para integrar o programa. O treinamento será realizado em duas turmas: uma de 8h às 12h e a outra de 13h às 17h. O objetivo é preparar os elementos focais de cada instituição participante para trabalhar na primeira política pública de inserção dos temas nas salas de aula.

Lançado na última quarta-feira, o programa oferece a oportunidade dos alunos desenvolverem a cultura de prevenção aos desastres de origem natural e de percepção de riscos. A iniciativa faz parte do conjunto de ações do governo municipal no desenvolvimento de uma cultura de resiliência na cidade, com a orientação dos alunos sobre como se comportar em caso de ocorrências. O secretário de Defesa Civil e Ações Voluntárias, coronel Paulo Renato Vaz, destacou a importância do projeto para a cidade.

“Esse é mais um grande passo para a consolidação do Defesa Civil nas Escolas. Os profissionais de ensino serão nossos multiplicadores, levando o conhecimento necessário de prevenção de desastres para as crianças e adolescentes em sala de aula. Dessa maneira esperamos garantir um futuro mais resiliente para Petrópolis”, disse.

A elaboração da lei contou com o apoio do Conselho Municipal de Educação (COMED), do Sindicato dos Profissionais de Ensino (SEPE), além de membros das secretarias de Defesa Civil, Educação e Meio Ambiente. A iniciativa vai reforçar as ações do município na prevenção aos desastres de origem natural, não apenas no ambiente escolar, mas também nas comunidades. A secretária de Educação, Samea Ázara, destacou a importância da capacitação para os profissionais envolvidos no programa.

“O trabalho integrado que está sendo desenvolvido em conjunto, entre as secretarias de Educação, Meio Ambiente e Defesa Civil, vai garantir que o projeto seja um sucesso na rede municipal de ensino. Toda e qualquer informação sobre a prevenção deve ter toda a atenção de toda a comunidade escolar. É importante que as crianças criem essa cultura e entendam a importância de cuidarem do meio ambiente”, explica Samea.

Além da política pública, a Defesa Civil começa em setembro as reuniões setoriais que definem as matrizes de atividades e responsabilidades e os planos de contingência que fazem parte do Plano Verão 2019 de Petrópolis. O trabalho antecipado está sendo realizado em cima das principais ameaças da estação: deslizamento de solo ou rocha, inundações, rolamento de blocos rochosos, vendavais e tempestades e raios. A medida tem como foco prevenir os desastres de origem natural, além de investir na orientação dos moradores nas comunidades.

“Ganhamos o reconhecimento da Organização das Nações Unidas e do Tribunal de Contas do Estado por causa das nossas ações de prevenção aos desastres de origem natural. São indicativos de que estamos no caminho certo na busca por uma cidade mais resiliente”, completa o secretário de Defesa Civil.

Pagina 1 de 85

Notícias por data

« Novembro 2018 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30    

Alvará Online - BANNER

DO

loa 2018

iptu

turispetro

iluminacao

balcao empregos

plano compras

portal transparencia

licitacao

Concursos

Casa dos Conselhos

Casa dos Conselhos

ecidade

jrestaurativa

cpge

gabinete cidadania.fw

selo acesso informacao.fw

cmv-logo