Quarta, 05 Junho 2019 - 19:42

Centro de Saúde conscientiza sobre a importância do teste do pezinho

Centro de Saúde conscientiza sobre a importância do teste do pezinho

Unidade realiza ação alusiva ao Dia Nacional do Teste do Pezinho e alerta sobre o calendário de imunização

A próxima quinta-feira (06.06) será dia de conscientização no Centro de Saúde Coletiva, no Centro. Os profissionais da unidade estarão voltados para o Dia Nacional do Teste do Pezinho, comemorado nesta data. Na ocasião, será feito um alerta sobre a importância de se realizar o teste nos primeiros dias de vida do bebê e da mesma forma, de seguir o calendário vacinal das crianças. Para lembrar a data, estabelecida pelo Ministério da Saúde, cartazes informativos foram instalados pela unidade e os profissionais abordarão o assunto com os pacientes atendidos.

Na sexta-feira (07.06) as ações de conscientização continuarão com a abordagem sobre a importância de se manter o calendário de vacinação em dia. Nesse dia, entre as 10h e 14h, a ONG Abraços que Curam fará apresentação teatral com fantoches sobre o tema. É importante conscientizar a população sobre os cuidados preventivos que é possível adotar para garantir a qualidade de vida e saúde das crianças. A rede pública oferece todo o suporte necessário.

O teste do pezinho é considerado um dos exames mais importantes e deve ser realizado entre o terceiro e quinto dia de vida do recém-nascido. Através da análise, é possível se detectar possíveis problemas de saúde que, se diagnosticado com antecedência, há maior eficácia dos tratamentos indicados. A medida garante mais qualidade de vida e diminui a possibilidade de haver sequelas causadas pela doença.

Entre as doenças que se detectam com o teste do pezinho, estão algumas que podem afetar o sistema nervoso e alterações hormonais que podem afetar o desenvolvimento, como Hipotireoidismo Congênito, Fenilcetonúria, Hiperplasia Adrenal Congênita, Deficiência de Biotinidase, Anemia Falciforme e Fibrose Cística. O exame foi introduzido no Brasil na década de 70 e se tornou obrigatório em 2001.

É importante as pessoas se conscientizarem sobre a importância de se fazer o teste do pezinho dentro do prazo indicado. No primeiro quadrimestre, 1242 testes do pezinho foram realizados.

O teste é feito a partir da extração de gotas de sangue do calcanhar do bebê, sem oferecer dor ou riscos. Apesar da eficácia e rapidez do exame, é comum se identificarem crianças que não tenham passado pela análise. Segundo a enfermeira do Centro de Saúde, Verônica Clemente é comum atender crianças com três meses de vida que não fizeram o teste. O teste é oferecido gratuitamente na rede pública de saúde e se não realizado dentro dos primeiros 30 dias de vida, a obtenção do laudo é dificultada.

Todos exames colhidos em Petrópolis, são analisados pela Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) do Rio Janeiro. Quando feito dentro do prazo indicado, ente três e cinco dias de vida do bebê, o material é depositado em filtros que são levados para avaliação. Após 30 dias, a coleta pela rede pública deve ser feita diretamente na instituição. “A coleta nos primeiros dias de vida é mais facilitada e principalmente, acelera a identificação de possíveis problemas de saúde. O quanto antes se identifica a doença melhor para a garantia da saúde da criança”, destaca a enfermeira.

Da mesma forma que se identifica a não realização do teste do pezinho, a enfermeira alerta para o não cumprimento do calendário vacinal. Verônica destaca que imunizações importantes devem ser feitas logo nos primeiros meses de vida. “No Centro de Saúde o teste do pezinho é feito junto coma vacina BCG e se a criança não é levada para o teste, ela também certamente não tomou a vacina. Essa vacina é importante para proteger a criança da tuberculose”, destaca a enfermeira.

Em Petrópolis a cobertura vacinal para a BCG em 2018 foi de 100,42%, maior que em 2017, que registrou 97,29%; ano passado 84,78% das crianças recebeu a dose da vacina contra poliomielite, em 2017 foram 75,52%;  a pentavalente, que previne difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e meningite foi aplicada em 84.34%, ante 75,06% de 2017; a pneumocócica, que oferece imunização para pneumonia, otite, meningite e outras doenças, foi aplicada em 76,91% das crianças em 2018, menos que em 2017, quando foram vacinadas 85,22%; em 2018, 81,17% das crianças foram imunizadas contra a doença meningocócica C, ante 79,3%; e a tríplice viral, que previne contra o sarampo, caxumba e rubéola, foi aplicada em 91,66% em 2018, ante 73,69%. “Os índices mostram aumento da cobertura vacinal, mas é necessário o trabalho constante de conscientização”, destaca a secretária de Saúde.

Alvará Online - BANNER

Notícias por data

« Novembro 2019 »
Seg. Ter Qua Qui Sex Sáb. Dom
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30  

Alvará Online - BANNER

Casa dos Conselhos

DO

Cadastro da inscrição do IPTU para crédito da Nota Imperial

turispetro

iluminacao

balcao empregos

plano compras

portal transparencia

licitacao

Concursos

Casa dos Conselhos

ecidade

jrestaurativa

gabinete cidadania.fw

cpge

EOUVmunicipios

selo acesso_informacao.fw

Relatorio CMVP

cmv-logo